sábado, 28 de abril de 2012

Polícia desmantela quadrilha de jovens que furtava motos

Marcelo, Renato e Márcio

Rodrigo, Rafael e Rubens
 


Trabalho de inteligência deslanchado em conjunto pelas polícias Civil e Militar desbaratou na tarde da última quinta-feira (26), em Parauapebas, uma quadrilha composta por seis jovens maiores de idade e cinco menores especializada em furto e desmontagem de motos.
Os acusados maiores de idade são os indivíduos Marcelo da Silva (24 anos), Márcio de Souza Silva (23 anos), Rafael Silva Santos (20 anos), Renato Alves Ferreira (22 anos), Rodrigo Dias Alves (19 anos) e Rubens Menezes Pires (19 anos), que se encontram presos à disposição da Justiça. Os menores de idade ficaram de ser encami-nhados para o Conselho Tutelar, Ministério Público e à Vara da In-fância e Juventude de Parauapebas.
A polícia apreendeu em poder da quadrilha seis motos inteiras e quatro desmontadas, num total de dez motocicletas furtadas de proprietários residentes no município.
De acordo com o major PM Mauro Sérgio, comandante do Grupo Tático da PM, atualmente vem ocorrendo um índice muito alto de furto de motos em Parauapebas. Em virtude desta situação, o oficial informa que a polícia já vinha há duas semanas monitorando os passos dos integrantes desta quadrilha e no momento certo fez o flagrante.
Major Mauro Sérgio explica que o bando alugou um cômodo de uma casa localizada na Rua Mané Garrincha nº 413, Bairro Guana-bara, onde desmontava as motos roubadas e montava outras, para dificultar a identificação.
“No momento, apreendemos dez motos, mas estamos investigando outros locais onde a quadrilha poderia ter escondido outras motoci-cletas, inclusive em oficinas legalizadas”, detalha o comandante, adi-cionando que os ladrões furtavam as motos e as descaracterizavam apenas para curtir em trilhas de mata e na cidade, sem muita preo-cupação em serem descobertos.
Segundo o delegado Antonio Miranda Neto, os menores de idade foram encaminhados para o Ministério Público, com pedido para que sejam internados em órgão especial, em razão do “grau de alta periculosidade” que representam à sociedade local neste tipo de crime.
Com relação às motos apreendidas em poder dos acusados, o delegado explica que elas serão tecnicamente periciadas e posteriormente devolvidas aos legítimos proprietários. Ele revela que uma média de 20 a 30 motos é furtada ou roubada mensalmente em Parauapebas.
Ivanildo Braga da Silva, conselheiro tutelar, frisa que um dos cinco adolescentes menor de idade sustenta que não tem nada a ver com a quadrilha presa sob a acusação de roubo de motos, e que os pais ou responsáveis desses menores estão acompanhando os filhos em seus depoimentos.
“Dependendo da decisão do Ministério Público, esses garotos de-vem ser encaminhados para algum Centro de Referência Especial da Assistência Social (Creas) da cidade, onde devem ser aconselhados e também pagar penas alternativas, que podem ser convertidas na prestação de serviços, para depois serem reinseridos à sociedade”, informou Ivanildo Braga.
Apesar da insistência do Jornal, nenhum dos acusados maiores de idade integrantes da quadrilha quis falar sobre sua atuação no furto de motos na cidade. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Mecânico é assassinado com pauladas e golpes de faca



A polícia ainda não tem pistas suficientes para elucidar o assassinato do mecânico Misael Pereira Alves, 25 anos, natural de Pindaré Mirim (MA), que residia no Bairro Caetanópolis, em Parauapebas, ocorri-do na madrugada da última quarta-feira (25) na via pública do Bairro Parque das Nações II, em Parauapebas.
Procurado pela reportagem do CT, o delegado plantonista Bruno Fernandes de Lima informa que a delegacia já intimou uma testemu-nha para prestar depoimento, mas infelizmente ela não compareceu na data marcada, e por isso foi feita uma segunda intimação e caso não apareça novamente a polícia vai buscá-la, para dar procedi-mento à investigação do caso.
De acordo ainda com o delegado, outra informação apurada pela policia é que Misael Pereira Alves era separado da primeira mulher e atualmente convivia com outra companheira, mas até esta sexta-feira (27) nenhum parente ou familiar da vítima havia comparecido à delegacia para reclamar a morte do rapaz.
“Na primeira linha de investigação, acreditamos que Misael tenha sido executado por eventual acerto de conta ou mesmo por discussão em meio a bebedeira, uma vez que nas proximidades do local do homicídio existe um balneário”, enfatiza o delegado Bruno Fernandes de Lima. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Juíza condena carceragem de Parauapebas e manda transferir presos para município de Marabá





Publicada na edição 5016 da última quinta-feira (26) no Diário da Justiça, uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público e prolatada pela juíza Eline Salgado Vieira, respondendo pela 4ª Vara Cível de Comarca de Parauapebas, condena as instalações da carceragem municipal, localizada no Bairro Rio Verde, e determina a remoção imediata de todos os presos custodiados no xadrez pelo Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe) para o Centro Regional de Recuperação Agrícola Mariano Antunes (Crrama), ou outro estabelecimento que possua condições de abrigá-los.
Na ação, a magistrada lembra que o problema de superlotação da carceragem de Parauapebas já vem sendo alertado pelo Ministério Público desde 2007, com sugestão inclusive para que o Governo do Pará fizesse obras de reparos nas instalações elétricas e nos espaços de arejamento das respectivas celas, além de limitar o número de presos na carceragem, mas não houve qualquer manifestação por parte do Governo do Estado.
“É evidente que uma ação que tem por objeto a adequação de um estabelecimento prisional às condições mínimas para o acolhimento de seres humanos atenda não só aos interesses individuais de um grupo certo, como é o caso dos detentos, que já configuraria direito coletivo, como também aos interesses de toda a sociedade, não só quanto ao direito de se ver segura, com a adequada custódia daqueles cuja liberdade ofereça risco aos seus semelhantes, mas, também no que tange ao respeito aos direitos humanos”, diz trecho da ação.
A juíza Eline Salgado destaca que o problema carcerário em Paraua-pebas já vem se arrastando ao longo dos últimos anos, sempre com a promessa, por parte do Governo do Estado, de melhorias, criação de novas vagas e construção de um centro de recuperação de presos no município, mas nenhuma iniciativa foi tomada para solucionar o problema.
Trecho do documento diz que os laudos, vistorias e inspeções das condições precárias da carceragem foram apresentados pelo MP, sem contar a quantidade de fugas que ocorreram nos últimos anos, chegando a ser praticamente mensal, fato que demonstra a neces-sidade de medida extrema.
A magistrada cita que a população carcerária do presídio cresceu de 60 presos em 2007 para 97 detentos este ano, sem falar que este número já chegou a ultrapassar a casa dos 100 presidiários, que ficam amontoados nas duas celas e num calabouço.
“Nestas razões, determino a remoção de todos os presos custodiados na Delegacia de Polícia Civil de Parauapebas do Bairro Rio Verde, para o Centro de Recuperação de Marabá, ou outro estabelecimento que possua condições de abrigá-los, no prazo de dez dias, sob pena de multa diária no valor de R$ 5.000,00, a fim de possibilitar a adequação do imóvel a condições de salubridade aptas a abrigar seres humanos, com garantia do mínimo de dignidade e sem afetar a saúde ou integridade moral dos presos, preservando a segurança dos servidores públicos e da população local, devendo abranger a adequação do ambiente às condições de salubridade e segurança, com o reparo das falhas construtivas, saneamento de infiltração e mofo verificado, além do reparo das instalações elétricas e hidrossanitárias e instalação de equipamentos de combate a incêndio, tudo conforme os laudos juntados aos autos”, conclui Eline Salgado. (Waldyr Silva)

Filho violento agride mãe com cadeirada na cabeça




Encontra-se preso na carceragem municipal de Parauapebas desde a última quarta-feira (5), acusado de agredir a mãe dele com uma ca-deira na cabeça, Natanael Silva de Sousa, 28 anos, natural de Bom Jardim (MA), residente na Rua Ângela Diniz, Bairro Guanabara, Pa-rauapebas.
A denúncia contra o acusado foi feita na Delegacia de Polícia Civil pela vítima, a dona de casa Marly Silva de Sousa, 48 anos, casada, natural de Lago da Pedra (MA), residente na Rua Ângela Diniz, Bairro Guanabara, Parauapebas, mãe do acusado, que relatou ter sido atingida na cabeça por uma cadeira arremessada pelo filho Natanael Silva, que estava embriagado.
Segundo a denunciante, que foi à delegacia ainda ensanguentada, o filho dela chegou em casa embriagado, pronunciando palavrões e perguntando se a mãe dele tinha ido ao banco tirar o seguro desem-prego dele. A mãe respondeu que não teve tempo, mas que no dia seguinte resolveria a situação.
Insatisfeito, continua a vítima, Natanael Silva começou a empurrar e a esculhambar a mãe dele, e passou a quebrar as louças que estavam sobre a mesa. “Eu disse pra ele me respeitar e ele avançou pra cima de mim, aí tive que me defender com um pedaço de pau e dei-lhe uma paulada, e foi quando ele pegou uma cadeira e jogou na minha cabeça, provocando um enorme corte”.
Daniel Silva, irmão do brigão, chegou na hora da confusão à residência e repreendeu Natanael, que também se virou contra o irmão e aí Daniel teve que dar uns murros no valentão, conforme consta em depoimento.
Ao escrivão de polícia, Natanael Silva disse em depoimento que ao arremessar a cadeira não tinha a intenção de agredir a mãe dele, mas o irmão Daniel Silva. A confusão entre família ocorreu por volta das 16h30 da última quarta-feira (25), na residência da matriarca. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Dupla acusada de vender droga cai nas malhas da polícia




Depois de um período de espionagem feita pelo serviço de inteligência da Polícia Civil, foram presos na noite da última quinta-feira (26) os sujeitos Ronivon Araújo do Nascimento e Jhonatan da Luz Santos, sob a acusação de que ambos estariam vendendo crack para usuários.
A detenção dos acusados ocorreu na quinta-feira na residência de ambos, que moram juntos, localizada na Rua Jari, Bairro Casas Populares II, em Parauapebas.
No momento da abordagem, os policiais encontram em poder dos acusados nove petecas de crack e uma quantia em dinheiro no valor de R$ 410,00, que, , na avaliação da polícia, seria fruto da venda de droga.
De acordo com o delegado Antonio Miranda Neto, diretor da 20ª Seccional Urbana de Parauapebas, o serviço de inteligência da Polícia Civil continua obtendo êxito nas atividades de rastreamento, espionagem e monitoramento de pessoas suspeitas de tráfico de droga na cidade. Os acusados não quiseram falar com a imprensa. (Vela Preta/Waldyr Silva)

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Policiais militares são homenageados com medalhas em Parauapebas






Em atividades comemorativas ainda ao Dia de Tiradentes, que ocorreu no último dia 21, patrono da Polícia Militar, o comando do 23º Batalhão de Polícia Militar em Parauapebas, à frente o tenente-coronel Roberto Coracy, homenageou 30 policiais militares lotados nos municípios de Marabá, Canaã dos Carajás e Curionópolis, principalmente aqueles que mais se destacaram em suas atividades.
Segundo explicou o comandante do quartel da PM em Parauapebas, os praças em destaque foram agraciados com medalhas áureas de mérito pessoal pelos dez e vinte anos de serviços prestados na corporação militar no Estado do Pará.
Além da presença dos familiares dos PMs homenageados com a comenda, a solenidade de entrega das medalhas contou, também, com as presenças do juiz Líbio Araujo Moura, titular da 3ª Vara Criminal da Comarca de Parauapebas; o secretário municipal de Administração, Luiz Barbosa Vieira, que representou o prefeito Darci José Lermen no evento; o comandante do Corpo de Bombeiros, major Luiz Cláudio, entre outras autoridades.
A solenidade de entrega das medalhas encerrou com a oferta de coquetel à tropa, convidados e familiares dos homenageados e depois com atividades esportivas entre o contingente do quartel, em comemoração ao Dia de Tiradentes, patrono da Polícia Militar.
Os cabos Pina e A.Carlos, ambos lotados no destacamento da PM em Eldorado do Carajás, agraciados com duas medalhas, foram unânimes em afirmar que o reconhecimento do comando geral da PM pelos serviços que eles vêm prestando à comunidade da região há mais de 20 anos, sem sofrer nenhuma punição, aumenta ainda mais a responsabilidades deles na defesa da sociedade e no combate à violência.
Outro praça que fez questão de falar à reportagem de sua satisfação foi o sargento Ademilson, lotado em Parauapebas, afirmando que a homenagem é um exemplo para que outros colegas da corporação procurem prestar serviço com muita responsabilidade à população. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Andaime de construção desaba e mata pedreiro em Parauapebas




No momento em que um operário se encontrava rebocando a parede de um galpão, o andaime despencou e o pedreiro Inácio Lopes Car-doso, 45 anos, que residia no Bairro Liberdade II, em Parauapebas, caiu e morreu no local.
Acidente ocorreu por volta das 15 horas da última terça-feira (24), numa construção localizada no Loteamento Nova Carajás, em Pa-rauapebas.
À reportagem, Antonio Júnior, sobrinho da vítima, disse que a famí-lia dele foi informada por volta das 15h30 que o trabalhador tinha sofrido um acidente e se encontrava no hospital municipal. “Quando chegamos lá, meu tio já estava morto, na pedra do necrotério, como indigente”, protesta o parente da vítima, adicionando que no hospital fora informado que o pedreiro estava trabalhando, o andaime caiu e parte da parede desabou sobre o operário, que veio a óbito.
Antonio Júnior conta que ao visitar a construção onde o tio traba-lhava constatou que a obra não oferecia o mínimo de segurança para os operários, que por sua vez também não usavam equipamentos de proteção individual (EPI).
Outra situação apontada pelo parente da vítima é que na hora do acidente os responsáveis pela obra não chamaram o Corpo de Bom-beiro e nem a Polícia Civil para remover o corpo da vítima e fazer os levantamentos de praxe, conduzindo por contra própria o operário morto para o necrotério do hospital municipal.
O corpo de Inácio Lopes Cardoso foi transladado ainda na terça-feira (24) à noite para a cidade de Parnaíba, no Piauí, onde seria velado e enterrado por demais familiares.
A reportagem esteve no local do acidente, para falar com o responsável pela obra, que se chamaria José Veras, mas, segundo o pedreiro de prenome Pedro, o mesmo havia viajado para outra cidade que ele não soube ou não quis revelar.
Consultado sobre o assunto, o major BM Luís Cláudio, comandante do Corpo de Bombeiros em Parauapebas, orienta que toda obra deve contar com técnico de segurança no trabalho para exigir dos operários o uso obrigatório de EPIs (equipamentos de proteção individual).
O comandante Luís Cláudio confirmou que em nenhum momento a corporação do Corpo de Bombeiros foi acionada para socorrer a vítima que caiu junto com andaime na obra. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Direção de hospital esclarece denúncia de paciente



Reportando-se a denúncia de uma paciente, dando conta que uma enfermeira quase aplicava uma injeção destinada a outro paciente num filho dela, cuja matéria foi veiculada neste blog, o diretor-presi-dente do Hospital das Clinicas (HC), médico José Roberto Nasci-mento, procurou nesta quarta-feira (25) este jornal para esclarecer a situação.
Segundo o médico, a gerente de compras da casa de saúde, Valdene Carneiro, que na semana passada (dia 19) confirmou a denúncia à reportagem, ainda não tinha conhecimento das circunstâncias do epi-sódio, e por isso passou as informações equivocadas à imprensa.
José Roberto explica que a dona de casa Irene Mário de Moraes chegou ao pronto-socorro do hospital na noite do dia 13/04 com o filho de sete anos sofrendo de complicações respiratórias e foi aten-dida por uma médica, que ministrou medicamentos correspondentes aos problemas de saúde que a criança apresentava naquele momento.
De posse da receita prescrita pela médica, continua o diretor do HC, Irene Mário de Moraes levou o filho até o setor onde ministra a medi-cação e ambos foram atendidos por uma enfermeira. Com a ficha do garoto e medicação em mãos, a enfermeira retornou e perguntou pela criança para aplicar a medicação.
“Quando a mulher ouviu a enfermeira falar em ‘aplicar’ o remédio, a mãe do garoto ficou desesperada, dizendo que o filho dela não ia re-ceber nenhuma injeção, e a criança começou a chorar, aí a enfer-meira informou que não havia nenhuma injeção, mas sim, inalação e xarope, e foi quando a mulher se acalmou”, explica e médico José Roberto,
O diretor disse ter estranhado a atitude de Irene Mário de Moraes em ter procurado a polícia e a imprensa para denunciar que o filho dela quase recebe uma injeção errada, uma vez que esta situação não ocorreu, e ainda mais depois que o garoto recebeu com toda norma-lidade a medicação prescrita pela médica. (Waldyr Silva)

Bombeira militar morre em acidente de moto e é enterrada em Marabá

Soldado Janayna com major Luís Cláudio

Vítima de acidente de moto com caminhão, foi enterrada ontem em Marabá a soldado BM Janayna Santos, que ultimamente era lotada no Corpo de Bombeiros Militar de Capanema, nordeste do Pará.
De acordo com o major Luís Cláudio, comandante do Corpo de Bombeiros em Parauapebas, Janayna Santos morreu na manhã da última segunda-feira (23), quando a mesma pilotava uma moto e foi atropelada por um caminhão. A bombeira chegou a ser atendida em hospital na cidade de Tracuateua e depois foi transferida para Castanhal, mas antes de chegar à cidade sofreu três paradas cardíacas, não resistiu aos ferimentos e faleceu.
O corpo da vítima foi velado em Marabá, na Folha 16, Nova Marabá, onde moravam seus genitores e demais familiares, e enterrado às 17 horas desta quarta-feira (25), com honras militares. Cerca de 10 bombeiros militares da corporação de Parauapebas se deslocaram para Marabá para dar o último adeus à colega de farda.
Segundo revelou à reportagem o major Luís Cláudio, Janayna Santos se formou soldado no Corpo de Bombeiro de Parauapebas em 2009, depois foi transferida para Altamira e atualmente servia na corporação de Capanema. (Vela Preta/Waldyr Silva)

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Procura-se matador de blogueiro. Recompensa: R$ 100 mil

São Luís – O Disque Denúncia do Maranhão lançou nesta terça-feira (24) uma campanha para a identificação e localização do assassino do jornalista e blogueiro Décio Sá.

O Instituto Brasileiro de Combate ao Crime (IBCC), responsável pelo gerenciamento da Central Disque Denúncia no Brasil, recebeu doações privadas no total de R$ 100 mil para pagamento de recompensa, por informações que levem a elucidação do caso.

O crime aconteceu na noite da última segunda-feira (23). O jornalista estava em um bar e restaurante localizado na Praia de São Marcos, Avenida Litorânea, em São Luís, quando foi atingido por seis tiros, sendo quatro na cabeça e dois nas costas. O atirador, que segundo informações teria características indígenas, após ter cometido o crime, fugiu em uma motocicleta.

O Disque Denúncia do Maranhão já recebeu dez informações sobre o fato. Todas as denúncias estão sendo encaminhadas à Delegacia de Homicídios, que está à frente das investigações do caso.

Quem tiver informações que ajudem a polícia no esclarecimento da morte do jornalista pode ligar para os números do Disque-Denúncia: (94) 3346-2250, ou ainda 0300 253 1177 - custo de uma ligação local para todo o Brasil.

O serviço garante o total anonimato no momento da ligação e o funcionamento 24 horas. Ajude a polícia esclarecer este caso. Ligue e denuncie, o anonimato é garantido.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Blogueiro Décio Sá é executado com seis tiros em São Luís

O jornalista e blogueiro Décio Sá foi assassinado por volta de 23h30 desta segunda-feira (23) no bar Estrela do Mar, na Avenida Litorânea, em São Luís (MA)
Segundo o delegado Gutemberg Rêgo, a vítima estava sentada quando um homem caminhando entrou no banheiro do estabelecimento para se certificar que era de fato o jornalista. Quando saiu, iniciou uma série de disparos contra a cabeça de Décio, que morreu na hora, com quatro tiros na cabeça e dois nas costas. Ele aguardava um amigo no restaurante.
Depois de atirar, o matador saiu caminhando e fugiu em uma moto que o aguardava do outro lado da pista. Para praticar o crime, ele não usava capacete e pôde ser visto por testemunhas.
Curiosos, amigos, jornalistas e o secretário de segurança, Aluísio Mendes, foram ao local ao saber da morte de Décio. A polícia faz diligências para prender os criminosos. Segundo Aluísio, trata-se de um crime encomendado.
Décio Sá era repórter do jornal O Estado do Maranhão. No seu blog pessoal, ele colecionava milhares de acessos e algumas polêmicas pelo estilo crítico dos seus textos e dos assuntos que explorava. Dedicava o trabalho a cobrir a política estadual. Durante a carreira, ganhou a simpatia de muitos e a antipatia de outros tantos.
Décio Sá se formou na Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Além de O Estado, jornal que trabalha como repórter de política há quase uma década, também foi repórter de O Imparcial.
Indignação
Jornalistas maranhenses estão indignados com o crime contra o colega de profissão Décio Sá. Pelo Twitter, dezenas de postagens condenam o atentado e pedem respeito aos profissionais de imprensa do Maranhão.
“Estou vendo agora a notícia sobre o Décio Sá e ainda não estou acreditando", disse o jornalista Clodoaldo Corrêa. "No Maranhão, se fala, morre. Se cala, morre do mesmo jeito, num pântano de silêncios”, comentou o jornalista Alex Palhano.
E mais: "Esse é um crime contra os jornalistas e contra a liberdade de expressão. Não podemos aceitar", criticou Wal Oliveira.
Outros profissionais, via Twitter, também postam mensagens indignadas. "É inaceitável, intolerável, que numa sociedade democrática haja espaço para crimes assim. No campo, na cidade, em qualquer lugar. Reação!", disse o jurista Cláudio Pavão.
O deputado estadual Rubens Júnior também comentou o crime e pediu apuração contra os culpados. "Matar jornalista é um ato de bandidagem e um atentado contra a democracia. Apuração irrestrita já".
Mário Macieira, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional no Maranhão, chamou a execução de "crime de pistolagem". "Crime de pistolagem contra jornalista, na capital do estado em pleno sec XXI?!! Inaceitável! Inconcebível! O Estado precisa responder". (Fonte: O Imparcial)

Pecuarista é encontrado morto amarrado debaixo da cama



Desaparecido desde a última sexta-feira (20), foi encontrado amarrado e morto a pauladas, debaixo da cama de sua residência, localizada na Rua Dinamarca nº 10, 2º andar, no Bairro Vila Rica, em Parauapebas, o pecuarista Adormevil Damaceno Felisberto, de 77 anos de idade.
O corpo da vítima foi encontrado por volta das 17 horas de ontem (segunda-feira) por vizinhos do fazendeiro, que tinha imóveis alugados e também emprestava dinheiro a juros a terceiros.
Na residência de Adormevil Felisberto, que era solteiro e morava sozinho, uma adolescente que eventualmente prestava serviço de limpeza do apartamento da vítima informou para a reportagem que o pecuarista “era uma pessoa muita boa que não fazia mal a ninguém”.
Segundo ainda a adolescente, a vítima tinha uma fazenda, vários imóveis alugados, uma caminhoneta modelo Triton novinha, emprestava dinheiro a juros e “era muito raparigueiro (mulherengo)”.
Antonio Sales, vizinho da vítima, ratificou que Adormevil Felisberto era uma pessoa muito comunicativa com as pessoas com quem ele convivia. “Quase todas as vezes que ele saía para a fazenda ele pedia pra gente vigiar a casa dele”, conta o vizinho, adicionando que viu o fazendeiro pela última vez na manhã de sexta-feira (20), quando a vítima chegava ao prédio onde morava. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Pistoleiro detona trabalhador com seis tiros no Liberdade II



Até o fechamento desta matéria, a polícia ainda não tinha pistas suficientes para identificar e prender o pistoleiro que assassinou Antonio Gracy, 27 anos, conhecido por “Pichola”, ajudante de serviços gerais, natural de Monção (MA), que residia na Rua Santa Catarina, Bairro Liberdade II, em Parauapebas.
O homicídio ocorreu por volta das 23 horas da última sexta-feira (20), na esquina das ruas Carlos Gomes e Santa Catarina, no Bairro Liberdade II.
De acordo com o que narrou em depoimento na Delegacia de Polícia Marciano da Costa, cunhado da vítima, Antonio Gracy se encontrava ingerindo bebida alcoólica na companhia de Cosmo de Araújo Silva, Fernando, “Negão” e “Loiro”, na residência do primeiro. Antonio Gracy deixou o local de bicicleta e foi até a esquina comprar meia garrafa de cachaça, quando foi alvejado mortalmente por seis disparos de arma de fogo por um individuo que se encontrava numa motocicleta.
À polícia, Cosmo de Araújo Silva (41 anos, natural de Poção de Pedra-MA, residente na Rua Carlos Gomes, Bairro Liberdade II) confirmou que estava na frente da casa dele bebendo cachaça com a vítima e outros amigos, quando “Pichola” saiu para comprar mais pinga e foi executado a bala. No local do homicídio estava muito escuro e por isso Cosmo não conseguiu visualizar as características do pistoleiro.
Segundo ainda Cosmo Silva, ele conhecia Antonio Gracy há quatro meses e não sabia se ele, que trabalhava na extração e venda de areia num depósito, tinha alguma rixa com alguém. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Jovem viciado em droga é assassinado


Mesmo conhecedora que a vítima era usuária de droga, a família de Judyson Gustavo da Mata Jardim, 18 anos, natural de Medicilândia (PA), residente em Parauapebas, assassinado na madrugada do último sábado (21) com três disparos numa área sem residência no Bairro Linha Verde, Parauapebas, ainda não sabe os motivos que levaram o rapaz à morte.
Wanderson da Mata Jardim, conhecido por “Ronaldinho”, irmão da vítima, diz reconhecer que Judyson Gustavo era viciado em droga, mas era uma pessoa respeitadora, responsável e trabalhadora, e por isso não merecia ser assassinado traiçoeiramente com tiros pelas costas.
Segundo Wanderson “Ronaldinho”, ele tomou conhecimento que na noite do homicídio o irmão dele havia sido chamado em casa durante três vezes por pessoas desconhecidas e na última vez não retornou mais para casa.
“Quando minha cunhada saiu à procura de meu irmão, ela foi informada que o Judyson tinha recebido uns tiros, mas que nenhuma bala teria acertado nele, e aí ela voltou pra casa”, explica o irmão da vítima, acrescentando que a mulher só veio tomar conhecimento da morte do marido pela manhã.
De acordo ainda com Wanderson “Ronaldinho”, desde o momento em que a família tomou conhecimento que Judyson Gustavo era usuário de droga, a notícia desestruturou os integrantes da família, que batalhava de todas as maneiras em busca de alternativas que livrassem o rapaz das garras das drogas. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Uma criança e um adolescente morrem afogados em Parauapebas

Davi Barbosa

O último final de semana registrou duas mortes por afogamento em Parauapebas, uma delas no sábado (21) e a outra no domingo (22). As vítimas foram o adolescente Davi Barbosa, 16 anos, natural de São Luís (MA), que morreu no Rio Parauapebas; e a criança Pedro Henrique França de Almeida, de 6 anos de idade, natural de Redenção (PA), que foi vítima de afogamento numa piscina de um grande clube de lazer da cidade.
Como o menino Pedro Henrique morreu afogado numa piscina, o corpo dele foi resgatado por volta das 16 horas do mesmo dia do acidente para submeter-se a exame de necropsia, ser velado e enterrado por seus familiares.
No caso de Davi Barbosa, que saiu de casa por volta das 16h30 do último sábado (21) para tomar banho no Rio Parauapebas, nas proximidades da estação de captação de água, o corpo da vítima só foi encontrado por volta de meio-dia desta segunda-feira (23), já em adiantado estado de putrefação, a cerca de três mil metros abaixo do local onde a vítima se afogou.
Em declarações prestadas à reportagem, o cabo BM Paixão explicou que o mau cheiro exalado do adiantado estado de decomposição do corpo do adolescente ajudou a guarnição do Corpo de Bombeiros, composta pelo próprio cabo Paixão e os soldados Braga, R.Ferreira e Sivestre, a localizar o cadáver de Davi Barbosa, que se encontrava enganchado numas galhas de árvores nos fundos de um hotel da cidade. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Morte de casal de jovens em acidente de carro abala Parauapebas







Um trágico acidente ocorrido na madrugada do último domingo (22) na rodovia PA 275, próximo da ponte sobre o igarapé Ilha do Coco, periferia de Parauapebas, acabou com a vida de dois promissores jovens: Werlon Garoni Araújo, 25 anos; e a namorada dele, Suyanne Alves de Freitas, 24 anos.
Suyanne Alves era recém-formada em odontologia e Werlon Araújo fazia faculdade de direito, prestava serviço na Prefeitura de Paraua-pebas e pretendia casar com Suyanne no final deste ano.
Em depoimento prestado à Polícia Civil, Marieta Alves de Freitas, 23 anos, residente na Rua do Arame, Bairro da Paz, Parauapebas, conta que ela estava se divertido na boate Pirâmides com a irmã Suyanne, o namorado desta, Werlon, e outros amigos. Disse que por volta das 3h30 da madrugada Werlon e Suyanne deixaram a boate e ela saiu uma hora depois da casa noturna.
De volta para casa, com os amigos, Marieta Alves explica que se deparou com o carro do cunhado dela batido contra uma mangueira e os dois mortos nas ferragens do automóvel.
Ainda no depoimento, ela diz que tomou conhecimento no local do acidente que passou um ônibus na pista, Werlon perdeu o controle do Gol, de placa NLS 1819 (Goiânia-GO), bateu no meio-fio e depois no pé de manga, e os dois morreram no local. “Minha irmã tinha ingerido bastante bebida alcoólica na boate, mas meu cunhado tinha bebido moderadamente”, detalha Marieta Alves, lamentando a morte da irmã e do cunhado.
Dificuldades
Em virtude do violento baque do Gol contra a mangueira, a equipe de resgate do Corpo de Bombeiros, composta por 9 homens, passou mais de duas horas para tirar os corpos do casal das ferragens do automóvel, utilizando ferramentas especiais para cortar parte da lataria do carro, uma vez que a capota achatou sobre as vítimas, que tiveram parte do corpo mutilada.
De acordo com o subtenente BM Elilton, no momento em que a guarnição do Corpo de Bombeiros chegou ao local do acidente o veículo avariado corria risco de se desprender do tronco da mangueira e cair para a pista secundária, “mas utilizamos um carro guincho para puxar o Gol para o centro da pista da PA, para que os corpos do casal fossem retirados com segurança”, explica o bombeiro.
Velório e enterro
Durante a manhã desta segunda-feira (23), os corpos das duas vítimas estavam sendo velados na residência de Werlon, na Rua P nº 196, Bairro União, com a presença de familiares e muitos amigos do casal.
Horas antes do enterro do casal, que ocorreu por volta das 17 horas de ontem no cemitério municipal do Bairro Altamira, a reportagem ouviu José Vieira Goroni, tio de Werlon Goroni, que, bastante emocionado, falou um poucos das qualidades de seu sobrinho.
Segundo explicou o tio, o rapaz era servidor público concursado da Prefeitura de Parauapebas, estudava direito e já tinha estagiado no Fórum de Justiça de Parauapebas por um bom período.
“Ele era filho único de minha irmã e noivo de Suyanne, com quem pretendia se casar, tão logo concluísse o curso de direito, cuja formatura estava prevista para o final deste ano”, conta José Vieira, acrescentando que, além de sobrinho, Werlon era também afilhado dele, “e por isso eu tinha uma grande admiração por ele”.
Werlon Goroni nasceu em Jacundá, veio para Parauapebas ainda menino, onde foi criado e vinha estudando e trabalhando, onde era bastante conhecido na cidade.
“A dor que estamos passando é muito grande, então aconselho às pessoas, principalmente os jovens, que quando saírem de carro ou de moto para se divertir não bebam e se beber, não dirijam, porque é muito triste perder um ente querido da família”, apela José Vieira.
O cortejo funeral rumo ao cemitério foi acompanhado por dezenas de veículos de familiares e amigos dos dois jovens. Antes do enterro foi celebrada missa pelo padre Sérgio num tenda no cemitério. O enterro das vítimas, que estavam dentro dos caixões trajando roupa de noivos, foi marcado por muita comoção. (Vela Preta/Waldyr Silva)

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Trágico acidente mata casal de namorados em Parauapebas



Um trágico acidente ocorrido na madrugada do último domingo (22) em Parauapebas acabou com a vida de dois promissores jovens: Werlon Garoni Araújo, 25 anos, que fazia faculdade de direito; e a namorada dele, Suyanne Alves de Freitas, 24 anos, recém-formada em odontologia.
Durante a manhã desta segunda-feira (23), os corpos das duas víti-mas estavam sendo velados na residência de Werlon, na Rua P nº 196, Bairro União, Parauapebas, com a presença de familiares e mui-tos amigos do casal.
Acompanhe matéria completa nesta terça-feira (24) no Jornal Correio do Tocantins e neste blog.

sábado, 21 de abril de 2012

MST desocupa instalações da Prefeitura de Curionópolis





Depois de dois dias (quarta e quinta-feira) de ocupação das ins-talações da Prefeitura de Curionópolis, finalmente as cerca de 600 pessoas integrantes do Movimento de Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) deixaram o local na noite de quinta para esta sexta-feira (20).
A desocupação do setor público só foi possível depois que o pre-feito Chamonzinho Neto prometeu ceder três professores do mu-nicípio para lecionar num escola improvisada instalada no acam-pamento “Frei Henry”, localizado às margens da rodovia PA 275, a 15 quilômetros do centro de Curionópolis e 20 de Parauapebas.
No primeiro dia de ocupação, quarta-feira (18), servidores públicos da prefeitura e famílias de trabalhadores de sem-terra se misturavam na área externa do pátio do prédio do Poder Executivo, mas no dia seguinte, quinta-feira (19), a liderança do movimento exigiu que os funcionários trancassem todas as salas da repartição pública e se evacuassem das instalações do prédio, deixando a preservação do patrimônio público sob a responsabilidade do MST.
Durante todo o dia de quinta-feira, sem funcionários públicos, o controle de entrada e saída de pessoas no portão de acesso à pre-feitura foi feito pela coordenação do movimento, que colocou um homem, armado de pedaço de pau, na sala de recepção que dá acesso às demais salas da prefeitura.
REIVINDICAÇÃO
A pauta de reivindicação dos trabalhadores sem-terra junto à prefei-tura constava de construção de uma escola no acampamento “Frei Henry”, transporte escolar pata alunos da EJA (Educação para Jovens e Adultos) e do ensino médio que deveriam estudar em Curionópolis ou pelo menos aquisição de professores para lecionar numa escola improvisada para cerca de 150 crianças no próprio acampamento.
Na justificativa do prefeito Chamonzinho Neto, ele não poderia atender às revindicações do MST, porque os sem-terra estavam acampados em propriedade particular, cujos proprietários da terra estariam com ação na Justiça com pedido de reintegração de posse.
Para amenizar o conflito e fazer com que as atividades na prefeitura voltassem à normalidade, o gestor municipal confirmou por telefone ontem por volta de meio-dia para a reportagem em Parauapebas que havia prometido aos manifestantes a cessão de três professores da rede municipal de ensino para ministrar aula no acampamento “Frei Henry”.
A escola provisória construída pelos colonos no acampamento consta de três blocos com paredes construídas com barro e madeira (parede de taipa) e teto coberto de palha de palmeira, sendo três salas num dos blocos, duas em outro e mais duas no terceiro bloco, cuja obra se encontra em fase de conclusão.
Em declarações à reportagem, o comandante do 23º BPM de Pa-rauapebas, ten-cel. Roberto Coracy, informou que durante os dois dias de ocupação da prefeitura a Polícia Militar esteve monitorando a movimento dos manifestantes, na expectativa de agir em caso de alguma anormalidade em terno de danificação de patrimônio público ou mesmo violência física. (Waldyr Silva)

Mãe evita que filho de sete anos receba remédio errado em hospital




No momento em que se encontrava na Delegacia de Polícia Civil para registrar queixa contra um hospital particular de Parauapebas, no final da tarde da última quinta-feira (19), a dona de casa Irene Mário de Moraes procurou a equipe de reportagem do CORREIO DO TOCANTINS para explicar os motivos que a levaram a se queixar contra a administração do hospital.
Segundo narrou Irene Mário de Moraes, ela acompanhava o filho Luiz Eduardo Moraes de França, que neste domingo (22) completa 7 anos de idade, no Hospital das Clínicas, onde ele se submetia a tratamento de bronquite, e escapou por pouco de uma enfermeira aplicar uma injeção para curar problema de coluna vertebral.
A mãe do garoto informou que, como o filho dela estava internado e se tratando de bronquite, a médica prescreveu ao paciente xarope, nebulização e fizesse raio-x do tórax, mas de repente ela percebeu que uma enfermeira se preparava para aplicar a injeção em Luiz Eduardo, que seria para outro paciente.
“Tive que advertir por duas vezes a enfermeira, dizendo que o paciente da injeção não era meu filho, mas ela insistia em querer aplicar o remédio, até que a médica chegou, presenciou a confusão e perguntou à enfermeira pela ficha do paciente, tendo como resposta que ela estava sem a ficha de acompanhamento para aplicação de remédio”, detalhou Irene Mário de Moraes.
A reportagem procurou a direção do hospital, e foi recebida pela gerente de compras da casa de saúde, Valdene Carneiro, que confirmou a denúncia e informou que a enfermeira teria sido afastada das funções, estava sendo acompanhada por uma psicóloga e só depois a direção do hospital iria encaminhar a profissional de saúde ao departamento de recursos humanos da empresa, que por sua vez decidiria se demitia ou não a funcionária. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Acidente de moto leva piloto à mote uma semana depois

O piauiense Raimundo Ferreira da Silva, 37 anos, natural de Lu-zilândia (PI), sofreu acidente de moto no último dia 13, na Vila Cedere I, zona rural de Paraua-pebas, foi internado no Hospital Municipal, recebeu os primeiros medicamentos, teve alta e retor-nou para casa.
Devido ao agravamento do qua-dro de convulsão mental e agita-ção psicomotora, Raimundo Ferreira da Silva voltou a ser in-ternado na última quarta-feira (18) no Hospital Municipal de Parauapebas, recebeu tratamen-to, em estado que inspirava cuidados médicos especiais.
No início da tarde desta sexta-feira (20), o paciente não resistiu aos ferimentos na cabeça, sofreu parada cardiorrespiratória enquanto aguardava o exame de tomografia computadorizada no crânio e veio a óbito. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Ladrão é pego com a mão na massa furtando bomba numa loja



No momento em que se encontrava furtivamente no interior de uma loja de material de construção (DM), no Bairro Cidade Nova, em Parauapebas, afanando uma bomba de puxar água de poço da marca Anauger, o descuidista Paulo dos Santos Ferreira, residente na Rua Padre Cícero, foi observado por meio da central do circuito interno de filmagem do estabelecimento comercial e entregue à polícia. O fato inusitado ocorreu no final da manhã da última quinta-feira (19).
De acordo com o sargento PM Luiz Carlos, que conduziu o acusado à 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas, para prestar depoimento e ficar à disposição da Justiça, Paulo dos Santos pegou a bomba de puxar água, colocou debaixo de um dos braços e sorrateiramente se movimentava para deixar a loja, quando foi flagrado pelos funcionários e colocado numa sala, onde ficou trancada até a chegada da polícia, que foi acionada pela direção do estabelecimento comercial.
A reportagem do CORREIO tentou gravar com o acusado, mas este não quis falar com o Jornal, limitando-se a orientar que o repórter-fotográfico tivesse o cuidado de bater uma bonita foto dele, pra ele sair bonito nas páginas do jornal, e começou a fazer pose. (Vela Preta/Waldyr Silva)

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Usuários protestam na emergência do HMP contra falta de atendimento





Alguns das centenas de pacientes que procuraram o setor de emergência do Hospital Municipal de Parauapebas (HMP) na última segunda-feira (16) entraram em contato com a Sucursal do CORREIO DO TOCANTINS para denunciar o que eles consideram como descaso com a saúde pública no atendimento aos usuários que buscam socorro naquela unidade.
Em declarações prestadas à reportagem, a dona de casa Lucenir Maria de Matos informou que se encontrava no setor de emergência em busca de uma consulta desde as 7 horas da manhã de segunda-feira (16), e até as 17 horas não tinha sido atendida, segundo ela, por falta de médicos para atender a grande demanda.
Lucenir Maria de Matos denuncia que presenciou servidores do hospital favorecendo a entrada numa porta lateral para pessoas amigas se consultarem, enquanto os pacientes que haviam chegado na madrugada continuavam esperando a boa vontade para ser atendidos.
A dona de casa contou ainda que na hora em que algum usuário vai ao balcão de atendimento pedir alguma informação sobre o quadro de médico de plantão é atendido com a maior ignorância por parte dos servidores;
O vanzeiro Valter José reclama também que chegou à emergência por volta das 5 horas da manhã e até as 5 horas da tarde ainda não tinha sido atendido. “O atendimento aqui é péssimo e desumano, pois dispõe de apenas dois médicos para atender esse tanto de gente, a maioria criança”, reagiu o paciente, acrescentando que todos eles não tinham tomado café e nem almoçado naquele dia.
Outra que reclamou da precariedade de atendimento no setor de emergência do hospital municipal foi Maria da Silva Pereira, dizendo que depois que a primeira-dama do município, Maria Odilza da Cruz Lermen, assumiu a direção do HMP, a situação de atendimento piorou ainda mais.
LIXO PATOLÓGICO
No momento em que a equipe de reportagem fazia a cobertura no setor de emergência, foi informada por algumas pessoas que atrás do muro do hospital, acesso pela Rua Belém, existiam vários sacos de lixo com material patológico.
Em conversa com alguns moradores, eles afirmaram que constantemente o pessoal do hospital joga lixo naquele local, para posterior coleta, ficando por algum tempo à disposição de animais, como ratos e cachorros, além de colocar em risco a saúde das pessoas.
SEM RESPOSTA
No final da tarde de segunda-feira (16), a equipe de reportagem tentou conversar com a diretora geral do HMP, Maria Odilza Lermen, mas foi informada pela assessora de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde, Maria José, que no dia seguinte ela prestaria esclarecimentos sobre os problemas existentes na emergência.
Na manhã de terça-feira (17), o Jornal voltou a entrar em contato com Maria José, mas esta respondeu que a direção do hospital não ia se pronunciar a respeito da falta de atendimento no setor de emergência do hospital municipal, cuja resposta daria noutra oportunidade. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Integrantes do MST ocupam Prefeitura de Curionópolis



Centenas de homens, mulheres e crianças, integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), invadiram na manhã desta quarta-feira (18) as instalações do prédio da Prefeitura de Curionópolis, com a promessa de desocupar o local somente quando fossem recebidos pelo prefeito Wenderson Chamon Neto, o “Chamonzinho”, e tivessem seus pleitos todos atendidos. Até o início da noite de ontem, cerca de 350 pessoas de famílias de sem-terra continuavam ocupando as instalações da prefeitura.

De acordo com os manifestantes do MST, eles exigem da Prefeitura de Curionópolis a construção de uma escola no acampamento “Frei Henry”, localizado às margens da rodovia PA 275, entre Paraua-pebas e Curionópolis, professores e transporte escolar,

Esta não foi a primeira vez que o movimento de sem-terra invade a sede do Poder Executivo de Curionópolis, exigindo benefícios da área de educação para o acampamento “Frei Henry”. Em 10 de agosto do ano passado, cerca de 150 pessoas permaneceram durante todo o dia no prédio da prefeitura.
Ouvido pela reportagem, o coordenador regional do MST, Antonio Lopes, informou que o acampamento, que fica localizado a 17 quilômetros do centro de Curionópolis, conta hoje com cerca de 150 crianças e adolescentes matriculadas em escola do município, com grande dificuldade para chegar à cidade para estudar.
“Estamos aqui para pressionar o prefeito a construir um anexo no acampamento, para que nossos filhos não sejam obrigados a se deslocar todos os dias para estudar na cidade, arriscando suas vidas no transporte da roça para a escola”, enfatizou o líder sem-terra, revelando que até o início da noite de ontem estariam chegando da região mais de dois mil “companheiros para reforçar a nossa luta”.
Enquanto uma comissão se formava para ser recebida por representantes do prefeito Chamonzinho, as demais famílias se instalavam na área interna da prefeitura, armando rede, preparando alimento, subindo em maquinário agrícola e controlando a entrada e saída de pessoas no portão de entrada do prédio.
De acordo com o capitão PM Gledson, comandante do destacamento da Polícia Militar em Curionópolis, a polícia, naquele momento, estava apenas acompanhando a movimentação dos manifestantes, mas, caso fosse verificado algum caso de depredação do patrimônio público ou mesmo outro tipo de crime, os policiais agiriam para manter a ordem no local, com apoio inclusive de batalhões da região.
A reportagem conversou com assessores do prefeito, com o juiz Claytoney Passos Ferreira e procurou a Secretaria Municipal de Educação, mas ninguém quis falar sobro o assunto, sob a alegação de que ainda não tinham conversado com representantes e líderes da manifestação. (Vela Preta/Waldyr Silva)