quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Dez mortes violentas registradas em Parauapebas em apenas cinco dias





O município de Parauapebas foi palco mais uma vez de violência, quando foram contabilizadas, nos últimos cinco dias, dez mortes violentas, sendo seis por homicídios e quatro por acidentes de trânsito com motocicletas.

Na tarde desta quarta-feira (20), o indivíduo Danilo Alves da Silva, que no próximo dia 29 estaria completando 32 anos de idade, natural de São Domingos (MA), foi alvejado por quatro disparos de arma de fogo detonados por dois homens desconhecidos que chegaram numa motocicleta de cor vermelha.

O homicídio ocorreu por volta das 16h30 no Bairro Palmares Sul, a 10 quilômetros do centro de Parauapebas. A polícia está investigando o crime para identificar e colocar os pistoleiros na cadeia.

Terça-feira
Nesta terça-feira (19), por volta das 3 horas da madrugada, durante enfrentamento com a Polícia Militar, usando uma faca, o foragido da Justiça Edimilson Sousa Veloso foi atingido com um tiro, levado para o hospital ainda com vida, mas não resistiu e veio a óbito.

Segundo informou a polícia, Edimilson Veloso já tinha sido preso por duas vezes por assalto, roubo de moto e celular; praticado duas fugas do sistema penal de Parauapebas e uma de Marabá; e era foragido da Comarca de Jacundá pela morte do filho de um fazendeiro.

Segunda-feira
Por volta das 9 horas da manhã de segunda-feira (18), foi encontrado sem vida o corpo de Joab Cardoso do Monte dentro de uma residência na Rua Pernambuco, Bairro Liberdade. Conforme informações do cabo PM Ozeias, as pessoas das redondezas escutaram disparos de arma de fogo por volta das 5 horas.

“Ainda não temos certeza se foi tiro ou outra arma. Na casa mora um homem identificado por Alfredo da Costa Ribeiro que não amanheceu no bairro. Ninguém quer falar, mas a Polícia Civil deverá investigar essa situação”, acrescentou o cabo Ozeias.

Sábado
No sábado (17), foi encontrado o corpo de Antônio de Souza Vilanova, mais conhecido por “Baixinho”, com um golpe de faca no pescoço. O cadáver estava caído na Estrada Cachoeira, próximo ao Assentamento Tapete Verde, a 22 quilômetros do centro de Parauapebas. Conforme o delegado de Polícia Civil Paulo Junqueira, aparentemente o crime se trata de roubo seguido de morte (latrocínio).

Na avaliação de Nélio Luiz, vizinho da vítima, as primeiras provas colhidas demonstram que “Baixinho” estava num bar quando, ao ir embora numa moto, outro rapaz pediu uma carona. “A gente suspeita que no caminho foi feito o assalto, com esfaqueamento da vítima”, declarou, adicionando que o suspeito do crime seria conhecido como ladrão de motos. Nélio disse que “Baixinho” era uma pessoa que não tinha defeito, calma e não tinha desavenças.

Sexta-feira
Na manhã de sexta-feira (15), o corpo de Silvio Redson Soares Campos, 47 anos, conhecido por “Índio”, foi encontrado crivado de balas próximo da casa onde ele morava, numa propriedade rural localizada a 10 quilômetros da Vila Palmares II.

De acordo com a testemunha Antonio da Silva Fontinele, a vítima apareceu na propriedade há cerca de três meses e prestava serviços como diarista para alguns produtores rurais da região.

Já na noite de sexta-feira (15), na Rua Hamilton Ribeiro, Bairro Novo Brasil, o caminhoneiro Paulo Sérgio de Matos foi executado com quatro tiros na cabeça, enquanto caminhava. Conforme informações levantadas no local, ele foi perseguido por dois homens em uma moto e executado. O irmão da vítima, Valdecir Santana de Matos, conta que ele morava em Curitiba, de onde acabara de trazer uma carga de explosivos para o Pará.

No bairro onde a morte ocorreu, pessoas comentam que a vítima teria se envolvido com uma mulher casada, fato não confirmado pelo irmão. "Só me falaram que ele saiu para comprar créditos de celular e acabou sendo baleado", disse. A Polícia Civil investiga essa informação.

Vítimas de acidentes
As vítimas de acidente de trânsito com motos são os pilotos Salatiel Rodrigues Teixeira, às 18h30 de sábado (16); Jerry Adriano, às 18 horas de domingo (17), em Palmares Sul; e Lindonilson Cruz dos Reis e Jueilson Barros Ribeiro, ambos a 0 hora de segunda-feira (18), também em Palmares Sul. (Vela Preta/Waldyr Silva)

domingo, 17 de agosto de 2014

MAJOR DA MACTRA EM AÇÃO!




Venho agradecer a todos a grande contribuição nas reuniões ocorridas nas Palmares Sul e II com a presença de diversas autoridades, comunidade e associações ali representadas.

Nas respectivas reuniões, participaram o tenente-coronel Queiroz, comandante do 23º Batalhão de Polícia Militar de Parauapebas; tenente Eder, comandante das guarnições que fazem o policiamento das duas Palmares Sul e II; Hipólito Nascimento Gomes, secretário de Segurança do município Parauapebas; subtenente Vieira, do Corpo de Bombeiros; José Beto Santos Brito, popularmente conhecido como "Da Roça"; diretores das escolas Messias e Kátia; Evaldo de Almeida Fidelis, presidente da Associação dos Moradores da Agrovila Palmares Sul; José Labes Rodrigues, o “JR”, presidente da Associação dos Produtores Rurais de Vila Palmares Sul; Rondinelle, da Associação de Moradores da Palmares II; Tito e Branco, representantes do MST e comunidade.

Na ocasião, foi apresentada pelo ten-cel. Queiroz a guarnição que tem dado mais tranquilidade àquelas comunidades. Sr. Rondinelle entregou na presença de todos um documento contendo mais de 500 assinaturas reafirmando o clamor da comunidade em relação à segurança policial. Foi firmado entre autoridades e comunidade um seminário sobre segurança pública a ser agendado com as associações.

Venho agradecer também aos meus assessores que não mediram esforços para a organização das reuniões em atendimento às solicitações daquelas comunidades e reitero que estarei sempre à disposição do povo, pois para isto fui democraticamente eleito.
Vereador Major da Mactra do PSDB

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Motorista que atropelou mulher em bloqueio do MST escapa de ser linchado


Por pouco o motorista Rafael Queiroz Silva, 29 anos, natural de Ipatinga (MG) e residente na cidade de Coronel Fabriciano (MG), não foi linchado na manhã desta terça-feira (12) na BR 155, entre Marabá e Eldorado do Carajás, por integrantes do Movimento de Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), depois que ele atropelou e matou esmagada a camponesa Maria Paciência dos Santos.

A manifestação dos cerca de 1.500 integrantes do MST, que culminou com o bloqueio da rodovia federal em frente à sede da Fazenda Peruana, teve início na madrugada desta terça-feira (12). Os manifestantes exigem melhorias nos acampamentos, nas estradas de acesso, crédito fundiário e celeridade nas desapropriações. Até o final da tarde, enormes filas de veículos se formavam nos dois lados da pista.

Conforme apurou a reportagem no local do bloqueio da estrada e junto à polícia, após o atropelamento o condutor do veículo foi detido pelo grupo, amarrado e quase foi linchado, só escapando porque algumas lideranças do MST convenceram os mais exaltados a levar o motorista para a Delegacia de Polícia Civil em Eldorado do Carajás.

Por medida de segurança, o caminhoneiro foi encaminhado para Parauapebas, onde, acompanhado do advogado Thiellis Abílio Tinelli Rocha, prestou depoimento e até o final da tarde se encontrava detido à disposição da Justiça.

Em depoimento, o motorista Rafael Silva contou que transitava normalmente na BR por volta das 5 horas da manhã, sentido Eldorado/Marabá, conduzindo o caminhão baú Mercedes Benz, transportando carne e cereais (arroz, feijão, farinha e outros), quando foi surpreendido com a interdição da estrada.

O caminhoneiro acrescenta que, como ainda estava escuro e não havia nenhum tipo de sinalização na rodovia, ele acabou colidindo frontalmente com a barreira de pneus. Posteriormente, segundo ainda o depoente, ele avistou que havia pessoas após os pneus, precisamente na outra margem da via, que partiram em desabalada carreira em direção ao caminhão e iniciaram agressão física contra ele, que foi amarrado e agredido com pauladas e “panadas” de facão e foice, além de várias ameaças de morte.

De acordo ainda com o motorista, ele foi retirado da cabine do caminhão por três indivíduos e levado num veículo Corsa verde até uma estrada, onde ali foi informado que ele acabara de atropelar e matar uma pessoa que estava no local e recebeu ameaça de morte. Foi quando um dos indivíduos orientou a conduzir o depoente até o acampamento, pois no local corria risco de morte, de onde foi levado para a delegacia de Eldorado do Carajás.

Procurado pela reportagem, o delegado Marcelo Delgado Dias explicou que, depois de ouvir em depoimento Rafael Silva, a polícia vai colher informações também de membros do MST que testemunharam o atropelamento na rodovia com vítima fatal.

Por seu turno, o coordenador regional do MST, Antonio Lopes, afirmou que o movimento só iria desobstruir a rodovia depois que os manifestantes fossem recebidos por representantes do Ministério de Desenvolvimento Agrário, do Incra e do Iterpa.

José Ailton da Silva, filho da mulher que foi atropelada e morta, ainda bastante emocionado, disse que o caminhoneiro trafegava em alta velocidade, passou sobre os pneus velhos que faziam a barreira e matou a mãe dele. (Vela Preta/Waldyr Silva)

sábado, 9 de agosto de 2014

Preso motorista de ônibus escolar que tentou estuprar estudante

Até o fechamento desta matéria, continuava preso à disposição da Justiça de Parauapebas o motorista de ônibus escolar Leandro Moraes, acusado de tentar estuprar uma estudante de 12 anos de idade e tentativa de subornar policiais militares.

O acusado foi flagrado na noite de quarta-feira (6) por uma guarnição da Polícia Militar praticando atos libidinosos com a adolescente, porém sem chegar à consumação de conjunção carnal. Ela era a última aluna da rota do ônibus escolar da prefeitura para ser deixada em casa.

Em declarações prestadas à reportagem, o delegado Paulo Junqueira informou que no caminho para a delegacia Leandro Moraes tentou sobornar os policiais com a quantia de R$ 300 para não ser preso.

“O acusado foi flagrado [na beira do lago do Bairro Nova Carajás] beijando massivamente a boca, pescoço e puxando os cabelos da vítima”, detalha a autoridade policial.

Delegado Paulo Junqueira observa que, embora o acusado não tenha consumado o ato sexual com a estudante, com penetração, Leandro cometeu estupro, já que uma mudança na legislação classifica o beijo forçado e o toque nas partes íntimas de vulnerável sem consentimento como estupro.

Ainda em prantos, a estudante contou detalhes à escrivã como tudo aconteceu e foi encaminhada ao IML para submeter-se a exame de corpo de delito. Ela revelou que o motorista do ônibus deixou todos os estudantes em suas respectivas paradas e quando restava apenas ela o condutor desviou a rota para o Bairro Nova Carajás.

À imprensa, Leandro Moraes sustentou que não aconteceu nada entre os dois, nem ao menos um abraço, tampouco beijos. Com relação à acusação de suborno, ele disse que é mentira.


Nota de esclarecimento
"A Prefeitura Municipal de Parauapebas, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), esclarece que, em relação à suposta tentativa de estupro de uma aluna da rede municipal por parte de um motorista de ônibus escolar, todas as providências cabíveis já estão sendo tomadas. O acusado já foi afastado de suas atividades, bem como o processo de sua demissão já foi encaminhado à Diretoria de Gestão de Pessoas da Semed.

O motorista era servidor contratado desde janeiro deste ano e, como os demais motoristas, passou por uma seleção realizada a partir de triagem, análise de currículo e entrevista pessoal. Além disso, o profissional participou de treinamentos periódicos e de reuniões quinzenais nas quais recebia noções e orientações sobre ética no serviço público, comportamento e compromisso com o bem-estar dos alunos, dentre outros assuntos.

Até a data do ocorrido, seu comportamento era tido como exemplar, de maneira que nenhuma de suas ações, em momento algum, sugeriu que ele pudesse apresentar qualquer desvio de conduta.

A vítima e sua família estão recebendo toda a assistência necessária, inclusive apoio psicológico de profissionais do Núcleo de Apoio e Atendimento Psicossocial e Pedagógico (Naapp). A Semed colocou assistente social e psicólogo à disposição da família para que a vítima tenha acompanhamento adequado e para orientar a família sobre procedimentos que devem ser adotados, inclusive protegendo a aluna de eventual exposição por se tratar de menor, respeitando-se os direitos da criança e do adolescente.

A Prefeitura Municipal de Parauapebas repudia quaisquer que sejam os atos que violem e afrontem a cidadania ou atentem contra a vida de crianças e reforça seu compromisso com a luta pela responsabilização criminal de todos os autores de abuso, exploração ou outras formas de violência sexual contra crianças e adolescentes, assim como busca elaborar, implementar e aperfeiçoar políticas públicas destinadas à prevenção e ao atendimento das vítimas suas respectivas famílias de tais crimes odiosos". (Vela Preta/Waldyr Silva)

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Feliz Dia dos Pais: Homenagem a Vela Preta pai

Hoje a matéria que publico neste blog é, na verdade, uma homenagem ao homem que, além de ter me dado grande amor, me deu seu apelido e fez de mim uma pessoa batalhadora.

O personagem principal desta matéria não é aquele que você, leitor, está habituado a ler aqui. A história que conto hoje é do meu pai, Felintro Fernandes Pereira (in memoriam), o Vela Preta Pai. Em razão do Dia dos Pais, resolvi escrever um pouco sobre minha vida, família e sobre o significado do meu apelido. Muitas pessoas pensam que ele tem relação com a minha atividade profissional, o que não é verdade.

A origem do meu apelido Vela Preta tem total relação com o meu genitor. O meu pai era pai de santo, muito conhecido em Marabá, no Pará, por Vela Preta. Eu ainda era jovem quando recebi esse apelido. Eu ainda não trabalhava diretamente com o jornalismo. Tinha, na realidade, outra grande paixão: o futebol. E aí fundei o time da segunda divisão Vela Preta Esporte Clube, uma homenagem em vida que fiz ao meu pai.

Meu nome de batismo é Ronaldo Modesto Pereira, que só os amigos mais íntimos conhecem. E agora vocês também. Tenho 47 anos, nasci na cidade de Pedreira, Maranhão, e tenho muito orgulho da minha origem, pois foi em meio a muita dificuldade que fui vencendo na vida. Hoje sou um vencedor!

Quando fui treinador de futebol, conquistei muitas amizades. Lembro com emoção dessa época. Essas amizades que fiz quero levar por toda a vida.

Com o passar dos anos, fui me interessando pelo jornalismo. Iniciei nessa profissão como jornaleiro: acordava cedo para apanhar jornal na redação do Correio do Tocantins, em Marabá, para distribuir nas bancas de jornais da cidade e região. Aos poucos, fui me interessando ainda mais pelo ramo, quando tive a oportunidade de fazer minha primeira cobertura policial.

Lembro como se fosse hoje que tremi muito ao tirar a primeira foto de um defunto. Tremia muito com a máquina, ainda analógica, dada a mim pelo meu chefe, o jornalista Mascarenhas Carvalho. Lembro-me do nervosismo e medo daquele momento.

Mas, anos depois, fui perdendo o medo desse ofício e gostando do meu trabalho. Não pense que gosto de tirar fotos de pessoas mortas, não é isso, gosto do trabalho que faço, de levar a notícia, a informação até você. Entre tantos trabalhos, lembro-me de muitos que me fizeram chorar, refletir e ver que a vida deve ser vivida da melhor forma possível.

Sou muito agradecido a Deus e ao meu pai, Felintro. Dele, herdei não só o apelido, mas o caráter, a garra e a vontade de sempre seguir em frente, independente do desafio ou dificuldade. Não tenho mais ele do meu lado, mas carrego-o comigo, pra onde quer que eu vá.

E para você, leitor, que ainda tem ao seu lado o seu pai, aproveite e deseje a ele um Feliz Dia dos Pais! (Vela Preta)

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Delegacia de Polícia em Parauapebas será transformada em superintendência

A 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas será transformada, dentro de alguns dias, em Superintendência Regional de Polícia Civil de Carajás, com abrangência nos municípios de Canaã dos Carajás, Curionópolis e Eldorado do Carajás.

A revelação foi feita na última terça-feira (5) pelo diretor de Polícia do Interior, delegado João Bosco Rodrigues, durante solenidade de posse do novo diretor da até então 20ª Seccional Urbana, delegado Marcelo Delgado Dias, em substituição ao delegado Rodrigo Paggi, que foi transferido para a cidade de Breves, na Ilha do Marajó, para assumir a Superintendência Regional de Polícia Civil das Ilhas.

Segundo explicou João Bosco, tão logo seja oficialmente criada a superintendência pela cúpula da Polícia Civil na capital do estado, com Parauapebas se desmembrando da Superintendência Regional de Polícia Civil do Sudeste do Pará, o delegado Marcelo Dias passará a ser o titular da repartição de segurança pública.

Marcelo Dias atuava anteriormente na Delegacia Especializada de Conflitos Agrários (Deca), em Redenção, e se diz preparado para combater o crime na nova função. “Estamos recebendo a Seccional Urbana e aos poucos vamos programar a filosofia da Superintendência Regional”, frisou a autoridade policial, reconhecendo que quem ganha com isso é a comunidade.

Por sua vez, o delegado Rodrigo Paggi lembrou que chegou a Parauapebas no início de 2013 e considera sua passagem proveitosa na cidade. “A comunidade esteve ciente de nossas dificuldades, mas, com respaldo da culpa, fizemos nosso trabalho no combate à criminalidade”, avaliou.

Conforme revelou o diretor de Polícia do Interior, todo o aporte de serviço e servidores que está chegando à região tem o objetivo de diminuir a criminalidade. “Por isso, vamos desmembrar esta microrregião e destinar recursos para cá. O prédio da delegacia de Parauapebas vai ser reformado e dentro de três meses estaremos inaugurando uma nova unidade em Canaã e outra em Eldorado do Carajás”, informou João Bosco.

A solenidade de posse de Marcelo Dias ocorreu no salão de júri do Fórum de Justiça da Comarca de Parauapebas, com as presenças do juiz Líbio Araujo Moura, titular da 3ª Vara Criminal; secretário municipal de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão, Hipólito Gomes; delegado Antonio Miranda, superintendente regional de Polícia Civil do Sul do Pará; delegados, investigadores e escrivães da 20ª Seccional Urbana; advogados, promotores públicos e outros convidados. (Vela Preta/Waldyr Silva)

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Assaltantes se passam por cliente e matam comerciante

Dois homens, até então não identificados e presos pela polícia, passando-se por clientes, entraram no estabelecimento comercial de Elizer Oliveira (na foto, com a esposa), 34 anos, anunciaram um assalto, o comerciante reagiu e foi atingido mortalmente por disparos de arma de fogo.

O latrocínio ocorreu no último domingo (3), no Bairro Palmares Sul, em Parauapebas, no interior de uma distribuidora de bebida pertencente à vítima.

Em declarações prestadas à reportagem, a testemunha Thalis Nascimento, vizinho do comerciante, explicou que se encontrava em sua residência quando ouviu um disparo de arma de fogo na direção da distribuidora, gritos e em seguida o segundo tiro.

“Após ser atingido, o comerciante correu na direção de minha casa, pedindo socorro, minha irmã abriu o portão, ele entrou e caiu ao chão”, detalha a testemunha, acrescentando que imediatamente pediu socorro para o serviço público, mas nenhuma ambulância apareceu para socorrer o comerciante, que morreu ainda no local.

Segundo ainda Thalis Nascimento, esta foi a terceira vez que o comerciante tinha sido vítima de assalto, só que desta vez ele reagiu e foi morto pelos bandidos, que após o crime fugiram para rumo ignorado. (Vela Preta/Waldyr Silva)