sábado, 30 de julho de 2011

Estudante é liquidado com tiros nas costas em Parauapebas



No momento em que acabava de merendar um espetinho na calçada da casa nº 22 da Rua João Brito, Bairro Maranhão, em Parauapebas, o estudante Raniery Ferreira Silva Machado Filho, 22 anos, natural de Coroatá (MA), que residia na Rua Santarém nº 785, Bairro Maranhão, Parauapebas, foi sumariamente liquidado com vários tiros de revólver. O homicídio ocorreu por volta das 22h20 da última quarta-feira (27), no mesmo bairro onde morava a vítima.
Em depoimento prestado na delegacia municipal de Polícia Civil, Vanderlúcia da Silva (Rua J nº 270, Bairro União), tia da vítima, declarou não saber os motivos que levaram o sobrinho dela a ser assassinado, se ele devia dinheiro a alguma pessoa ou se tinha algum caso amoroso com mulher casada.
Ao escrivão Genival Souza, Vanderlúcia disse ter tomado conhecimento que o crime foi praticado por dois homens desconhecidos que chegaram montados numa moto Honda modelo Biz. Os tiros, efetuados pelo homem que se encontrava na garupa da motocicleta, atingiram as costas de Raniery Filho, que morreu ali mesmo no local, sem tempo de receber os primeiros socorros. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

Polícia garante que blitze vêm tranquilizando população

O subcomandante do 23º Batalhão da Polícia Militar em Parauapebas, major Juniso Honorato, garantiu na última quarta-feira (27) à reportagem do CORREIO DO TOCANTINS que as rondas e as blitze que a corporação vem deslanchando no centro e periferias da cidade vêm tranquilizando a população do município.
De acordo com o subcomandante, as operações militares desarmam pessoas mal-intencionadas, tiram menores da rua, verificam documentações pessoais e de veículos, e apreendem drogas e coloca na cadeia indivíduos viciados em consumo de entorpecentes.
Segundo o major Juniso Honorato, nas vilas Palmares Sul e Palmares II, localizadas respectivamente a 10 e 20 quilômetros do centro da cidade, onde o índice de violência era considerado bastante alto, a onda de crimes foi consideravelmente reduzida com a presença da polícia diariamente naquelas localidades.
O subcomandante admite que as operações de revista policial às vezes têm incomodado ou constrangido algumas pessoas de bem, mas muitas delas consideram que as blitze são importantes para desarmar elementos nocivos à sociedade.
Indagado sobre as presenças de policiais militares que na hora de folga prestam serviço de segurança para empresa ou loja particular, major Juniso justifica que quando isso ocorre é porque o PM busca uma renda extra para sua família, em virtude do baixo salário da Polícia Militar no Estado do Pará.
“Mas esta prática de prestar serviço de vigilância para terceiro é proibida pelo comando da Polícia Militar, ainda mais se o policial estiver fardado ou se utilizando de arma da corporação ou de terceiro”, reconhece o subcomandante. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

Casal é preso por tráfico de drogas




A polícia colocou no xadrez na última quinta-feira (28), em Parauapebas, o casal José Carlos Cardoso do Monte, 43 anos, e Maria Alcione Cardoso de Lima, 32 anos, residente na Rua Jerusalém, qd. 31, lt. 05, Vila Palmares II, acusado de praticar venda de entorpecentes.
De acordo com registro policial feito na delegacia pelo investigador Jorge Pontes da Silva, os acusados José Carlos e Maria Alcione foram presos a partir da detenção dos viciados Jeison dos Santos Silva e Rafael Marques Cardoso, que foram flagrados saindo da residência do casal portando quatro petecas de crack.
Na residência do casal, após revista, a polícia encontrou e apreendeu a importância de R$ 1.900,00 em dinheiro, porém não localizou nenhuma quantidade de droga. Mesmo assim, o casal recebeu voz de prisão e foi encaminhado à delegacia para prestar depoimento.
Acompanhado de Pedro Martins dos Santos, seu advogado, José Carlos Cardoso disse em depoimento que ele e a mulher dele não são traficantes de droga e que todas as acusações contra sua pessoa e esposa são infundadas.
Indagado pelo escrivão, José Carlos confessou que já foi preso por duas vezes, a primeira por ter agredido fisicamente seus filhos, e a segunda acusado de tráfico de drogas, situação em que já teria sido absolvido.
Com relação à importância em dinheiro encontrada na residência do casal, o acusado explicou que é fruto da venda de confecções que a esposa dele comercializa.
No mesmo estilo do marido, Maria Alcione negou a todas as acusações de tráfico de drogas, confirmando que é vendedora ambulante de confecções e sandálias nas residências de seus clientes e que possui um bar.
Mas a polícia garante que tem provas suficientes para enquadrar o casal por crime de tráfico de drogas, por isso solicitou à justiça que José Carlos mantivesse preso no xadrez do Bairro Rio Verde, enquanto Maria Alcione foi encaminhada ao presídio de Marabá. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

Corpo de homem encontrado em adiantado estado de putrefação




Até o fechamento desta matéria, a polícia de Curionópolis ainda não tinha identificado um cadáver que foi encontrado por vaqueiros da região de Serra Pelada na última quinta-feira (28), numa estrada de acesso à vila daquele antigo garimpo de ouro.
O corpo da vítima, que foi encontrado em adiantado estado de decomposição, estava debruço e com as mãos amarradas para trás com corda, calça jeans, camisa com listras vermelhas horizontais e botas de couro na cor creme.
Segundo apurou a reportagem junto à policia, há cinco dias os vaqueiros da região passaram a sentir odor característico de carniça, mas pensavam tratar-se de algum animal morto. Para surpresa deles, o mau odor era de uma pessoa morta, cujo achado foi comunicado à policia de Curionópolis, que providenciou a remoção do cadáver por agentes funerários para posterior reconhecimento e entrega à família. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

terça-feira, 26 de julho de 2011

Trombada de motos deixa um piloto morto em Eldorado do Carajás



Um violento choque de duas motos ocorrido por volta das 2 horas da madrugada do último domingo (24), na rodovia PA 275, perí-metro urbano de Eldorado do Carajás, levou à morte o mototaxista Valdir Bernardo Silva Júnior, 36 anos, conhecido por “Boi”, natural de Imperatriz (MA), que residia na Rua Piauí nº 97, Curionópolis.
Segundo apurou a reportagem com populares que tomaram conhe-cimento do trágico acidente, Valdir Júnior havia saído de Curionó-polis para Eldorado do Carajás, para se divertir, quando se chocou com outra moto na PA 275, entre os núcleos urbanos do Km 2 e Km 100, nas proximidades de uma ponte. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

Ciclista é atropelado e morto por caçamba na estrada Faruk Salmen



Ao retornar de uma pescaria, na companhia de dois amigos não identificados pela polícia, o ciclista Francisco Medeiros da Silva, 48 anos, natural de Pirapemas (MA), foi vítima de atropelamento fatal à altura do km 5 da estrada de acesso à ferrovia, sentido Vila Palmares Sul, por volta das 22h30 do último sábado (23).
Segundo apurou a reportagem junto ao delegado plantonista Timóteo de Oliveira Soares, a vítima Francisco Medeiros retornava da pescaria pedalando uma bicicleta, quando foi atingida na pista de asfalto por uma caçamba, cujo condutor não deu assistência à vítima e nem tampouco foi identificado pela polícia.
O impacto da caçamba contra o ciclista foi tão grande que o crânio da vítima estourou, provocando a exposição de massa encefálica pelo asfalto e tendo morte instantânea, sem nenhuma chance de sobrevivência.
Até o fechamento desta matéria, a polícia não tinha nenhuma pista do condutor que provocou o trágico acidente. A família da vítima também não foi localizada pela reportagem do jornal. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

sábado, 23 de julho de 2011

Avião cai em fazenda, mas tripulante e passageiros se salvam




No final da tarde desta sexta-feira (22), um avião de marca Cirrus caiu ao tentar pousar na pista da Fazenda Primavera, de propriedade do pecuarista Rafael Saldanha de Camargo, a cerca de 40 quilô-metros da sede de Curionópolis e 80 de Parauapebas.
Depois de um pouso turbulento na pista da fazenda, a aeronave pegou fogo, mas piloto e passageiros se salvaram com vida, embora com queimaduras de segundo grau pelos corpos.
A reportagem apurou junto ao cabo Nelson, do Corpo de Bom-beiros, que se encontravam no avião o piloto Dário Martins Ferreira, 72 anos; e os irmãos João Kleber de Souza, 50, e Francisco Torres, 42 anos.
O piloto e os dois passageiros acidentados foram retirados do local por outra aeronave e conduzidos para a pista de pouso da família Saldanha, em Parauapebas, e em seguida encaminhados numa ambu-lância do Corpo de Bombeiros para o Hospital de Clínicas de Parauapebas (HCP), com a possibilidade de o piloto ser transferido para o Hospital Yutaka Takeda, no núcleo urbano de Carajás, pois o estado de saúde dele era considerado mais grave.
Informações dão conta que a aeronave estava levando convidados para uma festa de família que aconteceria na sede da fazenda nesta sexta-feira (22).
Segundo apurou a reportagem, o avião era do empresário Luiz Pires, que também tem propriedade rural no sul e sudeste do Pará. O oftalmologista Hipólito Reis, que também tem uma aeronave, ajudou a prestar socorro às vítimas do acidente.
Na pista de pouso da família Saldanha de Camargo, os pacientes foram atendidos primeiramente por uma equipe de bombeiros integrada pelo sargento Mourão, cabos Nelson e Ronaldo e soldado Quintino, sob o comando do tenente Catuaba, e depois levados para o HCP. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

Parturiente denuncia maternidade



A dona de casa Carmelita da Costa Lopes, residente na Rua N nº 222, Bairro União, Parauapebas, esposa do cabo PM Osmar, lotado no destacamento de Eldorado do Carajás, procurou na última quinta-feira (21) a reportagem do CORREIO DO TOCANTINS para denunciar o que ela considera como erro de maternidade.
Segundo a dona de casa, na última terça-feira (19), por volta das 15h30, ela foi submetida a parto normal na maternidade do hospital municipal de Parauapebas, mas na hora do nascimento do filho as enfermeiras teriam puxado com violência o braço direito do bebê e deixado a criança com o braço mole, sem movimento.
Ela conta que esteve com um ortopedista e ele disse que a criança vai ficar com sequelas. O parto foi assistido, segundo a mulher, por quatro enfermeiras, sem a presença de médico. “Duas delas ficaram na minha frente, tentando puxar o bebê à força, e as outras duas do meu lado, apertando minha barriga para a criança nascer”, explica Carmelita da Costa Lopes, acrescentando que quer que os res-ponsáveis por esse erro sejam responsabilizados pelos atos que cometeram.
Na Secretaria Municipal de Saúde, na manhã desta sexta-feira (22), a reportagem ouviu Afonso Vidinha, secretário adjunto, que disse ter tomado conhecimento do fato na quinta-feira (21) e que a situação estava sendo apurada por uma comissão composta por servidores municipais.
Perguntado se é normal ocorrer partos na maternidade apenas com o trabalho de enfermeiras, sem a presença de médico, o secretário adjunto respondeu que isso ocorre quando o pré-natal da mulher foi desenvolvido de forma regular, sem nenhuma anormalidade, “pois a maternidade conta com enfermeiras especializadas para proceder parto sem a presença de médico”.
Por causa da situação que surgiu, Afonso Vidinha informa que uma comissão foi formada para apurar o que realmente aconteceu com essa criança. “Até agora, o que podemos dizer é que a criança apresentou no braço direito uma lesão denominada diplex, que deve ser reparada por meio de sessões de fisioterapia”.
Indagado se na dificuldade do parto as enfermeiras não teriam que convocar um médico e este procedesse a uma cesariana na partu-riente, o secretário informou que esta possibilidade poderia ocorrer, mas quem deveria arbitrar ou não esta situação seria o médico, “e é por isso que estamos apurando o problema, abrindo processo administrativo para apurar responsabilidades”, diz ele, admitindo que tenha havido falha no processo do parto. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Assaltantes arrombam caixas eletrônicos do BB com maçarico




Uma quadrilha composta por cinco assaltantes ainda não identificados pela polícia arrombou na madrugada desta quarta-feira (20), em Curionópolis, dois caixas eletrônicos no interior da agência do Banco do Brasil e fugiu em direção a Parauapebas com o dinheiro, cujo montante não foi informado à imprensa.
De acordo com o capitão PM Miranda, tão logo o comando da Polícia Militar em Parauapebas foi informado sobre o assalto pela polícia de Curionópolis, ainda na madrugada, “montamos barreira na entrada da cidade de Parauapebas, no intuito de localizar os bandidos, mas infelizmente não logramos êxito na operação, que continua sendo executada nas estradas e cidades vizinhas”.
Segundo ainda a polícia, os bandidos usaram maçarico para cortar a parte inferior frontal dos caixas onde fica a maior parte de dinheiro das máquinas expressas para saque e depósito de numerário.
Os cinco homens chegaram à agência bancária por volta das 3h30 da madrugada de quarta-feira fortemente armados num veículo. Os assaltantes renderam dois seguranças particulares que faziam ronda noturna na rua, levaram para dentro do estabelecimento bancário e meteram maçarico nos equipamentos.
Ouvido pelo jornal ainda na manhã de quarta-feira (20), Sandro Viana, gerente da agência do BB em Curionópolis, explicou que até aquele momento o setor de segurança patrimonial da instituição ainda não tinha concluído levantamento para saber se os assaltantes levaram dinheiro ou não com o arrombamento dos dois caixas eletrônicos do banco.
Perguntado se o banco estaria funcionando nesta quarta-feira, em virtude do arrombamento dos caixas, Sandro Viana respondeu que a agência iria atender ao público dentro de seu limite, uma vez que a área de auto-atendimento estava prejudicada com dois dos quatro terminais arrombados.
Em resposta à indagação da reportagem se a agência conta com vigilante noturno, o gerente informou negativamente, adicionando que só há vigilância no funcionamento do estabelecimento durante o dia.
Com relação ao sistema automático interno de coleta de imagens da agência, Sandro Viana revelou que a direção do banco está providenciando o envio das imagens das câmeras internas da agência à polícia para análise, no intuito de identificar os bandidos.
MODA
Há pouco mais de 30 dias, portanto, no último dia 19 de junho, dois bandidos detonaram com dinamite, por volta das 6 horas da manhã, um terminal de caixa eletrônico do Banco do Brasil localizado no interior do Centro Administrativo de Parauapebas, onde funciona a prefeitura do município.
No dia 8 do corrente, seis elementos fortemente armados de pistolas e armas longas explodiram com dinamite, por volta das 23h40, cinco caixas eletrônicos instalados nas minas N4 e N5, em Carajás, e levaram duas mochilas cheias de dinheiro, cujo valor não foi levantado pelas instituições bancárias, que seriam Banco do Brasil, Bradesco e Santander. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Nova Ipixuna: fazendeiro apontado pela polícia não é único mandante, diz CPT

A Polícia Civil do Pará anunciou, nesta quarta-feira (20), o encerramento das investigações do assassinato do casal de líderes extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo. Foi pedida a prisão de três homens, dois executores e um fazendeiro, que seria o mandante.
Para a Comissão Pastoral da Terra (CPT), a conclusão é insuficiente. "A família e as organizações sociais já apontam há muito tempo que há outros mandantes", afirma o advogado da CPT em Marabá, José Batista Afonso.  "Este fazendeiro nunca agiu sozinho", conta.
A CPT questiona ainda a justificativa apontada pela polícia para o crime.  O delegado Silvio Maués, diretor policial no interior do Pará, falou à imprensa que se tratava apenas de uma disputa de terras.  "Havia madeireiros invadindo o assentamento e que agiam com este mandante", contesta José Afonso, atribuindo o crime à luta de José Claudio e Maria pela conservação ambiental.
O advogado contesta que a prisão dos três homens já havia sido pedida em outros dois momentos pela polícia, mas negada pelo Judiciário.  Para ele, os homens já podem ter fugido da região: "Eles foram beneficiados pela demora das investigações, agora dificilmente serão encontrados.  Isso porque a investigação concluiu apenas pelo óbvio". (Fonte: Terra Magazine)

terça-feira, 19 de julho de 2011

Borracheiro acaba com vida de açougueiro com golpes de facão



A polícia ainda não localizou o borracheiro “Didi”, 32 anos, que na noite da última sexta-feira (15) assassinou com vários golpes de faca e terçado o açougueiro “Roupa Lima”, 37 anos, por volta das 22 horas na Vila Palmares Sul, a 10 quilômetros do centro de Pa-rauapebas.

Natural de natural de Iracema (CE), o borracheiro Valdenir Sobrinho Silva, o “Didi”, após a execução da vítima – Antonio Landim Sousa, o “Roupa Limpa”, natural de Imperatriz (MA), que residia no condomínio Pastor Petrônio, Vila Palmares Sul, em Parauapebas –, evadiu-se do local numa moto para lugar incerto e não sabido por seus familiares.
Em depoimento prestado na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, Maria de Fátima Landim de Sousa (Rua Arapiuns nº 71, Carajás, Parauapebas), irmã da vítima, informou não saber os motivos que levaram à morte o irmão dela.
A vítima ainda chegou a ser socorrida e levada para o hospital municipal, mas não resistiu aos ferimentos e veio a falecer, antes mesmo de receber os primeiros atendimentos médicos.
Tão logo ocorreu o homicídio, o vereador Israel Pereira Barros, o “Miquinha”, 39 anos, natural de Grajaú (MA), residente na Rua Boa Vista, qd. 21, lt. 01, Vila Palmares Sul, foi procurado por populares para socorrer o açougueiro.
“Saí às pressas para o posto de saúde em busca da ambulância, mas esta não se encontrava no local. Peguei meu carro, pedi ajuda a populares e colocamos a vítima no carro e meu irmão Joel levou o rapaz para hospital”, contou em depoimento o vereador à polícia.
Procurado pela reportagem, o major Juniso Honorato, subco-mandante da PM em Parauapebas, informou que uma guarnição da Polícia Militar faz ronda noturna diariamente naquela vila, e que na hora do homicídio, que ocorreu nas proximidades do PM-Boxe da Palmares Sul, os policiais haviam deixado o local para atender a um chamado. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Preso mais um acusado de vender crack em Parauapebas


Depois de receber informações via telefonema de pessoas da comunidade, por volta das 15h30 da última terça-feira (12), uma guarnição da Polícia Militar foi até o local indicado e flagrou o indivíduo Francisco Paulo Medeiros (foto) com nove papelotes de crack nos bolsos e mais cinco trouxas da mesma droga no interior da residência do acusado, na Rua Frankfurt, qd. 36, lt. 02, apartamento 2, no Bairro Vila Rica, Parauapebas.
Após o flagrante, Francisco Paulo recebeu voz de prisão e foi encaminhado à 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, onde prestou depoimento e se encontra à disposição da Justiça.
No momento da abordagem policial, o acusado se encontrava em poder de uma motocicleta de marca Traxx e placa JVM 6885, que foi entregue à Policial Civil juntamente com a droga apreendida.
À polícia, Francisco Paulo negou que seja traficante e confessou que comprou a droga de um elemento que ele conhece apenas pelo prenome de “Gilmar”, pertencente a uma quadrilha de traficantes que vem agindo em Parauapebas e região. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

Bandidos reagem à prisão e um deles leva a pior



Ao receber voz de prisão de uma guarnição da Polícia Militar por volta das 23h40 da última segunda-feira (11), no Bairro Guanabara, em Parauapebas, um adolescente fugiu baleado, um adulto escapou ileso e o menor Lucas de Sousa Monteiro (Rua N01, qd. 64, lt. 04, Cidade Jardim, Parauapebas), foi baleado e morto no local do confronto.
De acordo com informações colhidas da polícia na delegacia, a guarnição da PM, comandada pelo sargento Jorge, foi avisada de que um bando estaria praticando assalto no Bairro Guanabara, nas proximidades da Praça Faruk Salmen.
Dirigindo-se para o local indicado, os PMs abordaram três suspeitos, dois menores de idade e o adulto Ronaldo Amador Batista, conhecido por “Perneta”, que reagiram à abordagem policial.
Lucas Monteiro e o adolescente que se evadiu do local estavam numa moto de marca Honda, modelo Biz de cor preta e placa MWI 8151 (Redenção-PA), enquanto que Ronaldo Batista andava numa motocicleta modelo Titan de cor vermelha.
Segundo ainda a polícia, Lucas reagiu e disparou contra os policiais com um revólver calibre 38 que teria sido cedido à vítima por Ronaldo Batista.
Horas mais tarde, a polícia capturou o menor que havia fugido do cerco policial, e na delegacia ele confessou que fazia parte de uma gangue que vinha praticando assalto de celulares a pessoas desprotegidas.
Até o fechamento desta matéria, a polícia ainda não tinha colocado as mãos no assaltante “Perneta”, que continua foragido para local ignorado.
Na avaliação da polícia, Ronaldo “Perneta” pertence a uma perigosa quadrilha que vem praticando crimes graves, já que os infratores vêm portando arma de fogo para intimidar as vítimas, e por ter reagido à prisão.
A reportagem apurou junto a curiosos que Lucas era funcionário há sete meses de um posto de combustível na cidade, mas a polícia acredita que a vítima praticava crime de assalto nas horas de folga. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

Bandidos assaltam lan house e incendeiam carro da vítima

O comerciante e atual coordenador do Conselho das Cooperativas de Transporte Urbano de Parauapebas, Cirilo Ferreira da Páscoa Filho, foi vítima de assalto por volta das 20 horas da última segunda-feira (11), quando dois elementos entraram armados na lan house da vítima, localizada na Rua Sol Poente nº 442, Bairro da Paz.
Na ocorrência policial, Cirilo Páscoa Filho conta que um dos bandidos portava arma de fogo e o outro usava uma faca. No interior da lan house, os assaltantes ordenaram que proprietários e clientes de deitassem ao chão e roubaram do caixa cerca de R$ 2 mil em espécie, documentos pessoais de Cirilo, cartões do Banco do Brasil e Bradesco, um pacote contendo cerca de 600 vale-transportes (passe), chaves de uma moto e aparelho celular da esposa e certidão de nascimento do filho.
Após a ação dos bandidos, a dupla fugiu conduzindo uma caminhonete L20 de placa JUH 0676 (PA) pertencente a Cirilo Páscoa, que horas mais tarde foi encontrada incendiada na estrada VS10, sentido Canaã dos Carajás.
Segundo o relator, no momento em que os dois assaltantes se encontravam no interior do estabelecimento comercial, outros dois comparsas faziam a cobertura do assalto do lado de fora da lan house.
Ao evadir-se do local, um dos bandidos desferiu uma coronhada na cabeça do comerciante, resultando em lesão corporal, pegando seis pontos nos ferimentos. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

terça-feira, 12 de julho de 2011

Bandidos detonam caixas eletrônicos em Carajás e fogem com dinheiro




Seis elementos fortemente armados de pistolas e armas longas explodiram com dinamite por volta das 23h40 da última sexta-feira (8) cinco caixas eletrônicos instalados nas minas N4 e N5, em Carajás, e levaram duas mochilas cheias de dinheiro, cujo valor ainda não foi levantado pelas instituições bancárias, que seriam Banco do Brasil, Bradesco e Santander.
O local onde aconteceu o assalto fica a 25 quilômetros do núcleo urbano de Carajás e 50 quilômetros do centro de Parauapebas. Depois de tomar conhecimento sobre o assalto, a polícia montou barreira na portaria de acesso a Carajás, em Parauapebas, e na região da Área de Proteção Ambiental (Apa), mas não teve êxito na operação.
A reportagem da Sucursal do CORREIO DO TOCANTINS em Parauapebas procurou informações sobre o assalto junto ao delegado Antonio Miranda Neto, diretor da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, mas ele se mostrou reticente, dizendo que ainda estava apurando o caso.
Para ter acesso às minas de Carajás, de acordo com o que explicou à reportagem o capitão PM Miranda, os bandidos renderam o vigia que estava desarmado na portaria da Área de Proteção Ambiental (Apa) do Gelado, na Floresta Nacional de Carajás.
No momento da rendição, o segurança acionou discretamente um botão do rádio (HT) de comunicação e a conversa dos criminosos com o vigia passou a ser ouvida por outros seguranças. A polícia foi acionada pelo setor de vigilância patrimonial da Vale, mas não chegou a tempo de localizar e prender os assaltantes.
Da portaria da Apa, os assaltantes se dirigiram ao centro administrativo das minas N4 e N5, onde havia os caixas eletrônicos, renderam cerca de 15 a 20 pessoas, colocaram uma quantidade exata de explosivos nos equipamentos, detonaram e levaram o dinheiro, numa ação que durou algo em torno de 10 a 15 minutos.
Ao deixar o local do assalto, os bandidos atearam fogo num veículo no meio da pista, com a intenção de dificultar o acesso da polícia motorizada, e retornaram por onde entraram nas minas para rumo ignorado.

Na hora do assalto estava acontecendo um show com Nilson Chaves na inauguração de um restaurante no Núcleo Urbano de Carajás e a população local ficou apreensiva com receio de que os meliantes pudessem passar por lá para fazer reféns.
Segundo o capitão Miranda, o trabalho realizado pelos bandidos foi coisa de profissional. A polícia ainda não tem ainda pista sobre os assaltantes.

NOTA DA VALE
Procurada pela reportagem do jornal, a assessoria de imprensa da mineradora Vale, numa nota lacônica distribuída aos veículos de comunicação, explica que “Na sexta feira, 8 de julho, por volta das 23h40, aconteceu um assalto nos caixas eletrônicos das minas N4 e N5. Durante a ação, um grupo de bandidos armados renderam (sic) alguns empregados. Não houve vítima. Os bandidos fugiram sem levar reféns. A polícia foi acionada e iniciou as investigações”. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

Dono de bar mata cliente por causa de ‘música de corno’


Antonio Francinaldo


Vítima, em foto de documento

Depois de tomar umas cervejas e reclamar que certa canção que estava rodando no bar era “música de corno”, o cliente Antonio Francinaldo Costa da Silva, que completaria 29 anos nesta segunda-feira (11), natural de Buriti (MA), foi assassinado com golpes de faca pelo proprietário do estabelecimento, Osmando Silva, conhecido por “Farofa”, que se encontra foragido.
O homicídio ocorreu por volta das 17h30 do último domingo (10), num bar localizado nas proximidades do Mercado Municipal, na Avenida Liberdade, Bairro Rio Verde, em Parauapebas.
O delegado Nelson Alves Júnior, plantonista da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, já ouviu algumas testemunhas que presenciaram a execução de Antonio Francinaldo, para pedir à Justiça a prisão preventiva de “Farofa”, acusado de ter praticado o homicídio. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

Foragido do Maranhão é preso em Canaã dos Carajás

Em atendimento a mandado de prisão oriundo da comarca de Codó, no Estado do Maranhão, a polícia prendeu na última sexta-feira (8) em Canaã dos Carajás (PA) o indivíduo Aldir José de Araújo do Vale, 39 anos, taxista, natural daquela cidade, que se encontrava foragido da Justiça, acusado de ter praticado crimes cujas penas estão incursas nos artigos 311 e 313 do Código de Processo Penal.
O mandado de prisão foi assinado no último dia 8 de julho pela juíza Stela Pereira Muniz Braga, titular da 3ª Vara da Comarca de Codó (MA), e enviado à delegacia de Polícia Civil em Canaã dos Carajás, que providenciou a localização e prisão do acusado.
Até o último sábado (9), Aldir José de Araújo do Vale ainda se encontrava recolhido no xadrez municipal de Canaã dos Carajás à disposição da Justiça do Maranhão, que ficou de recambiar o preso para a comarca onde ele praticou o crime. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Juiz considera ‘uma afronta ao Judiciário’ ação que assaltante moveu contra vítima

Uma ação em tramitação no Fórum Lafayette, em Belo Horizonte (MG), leva às últimas consequências a máxima segundo a qual a Justiça é para todos – todos mesmo.
O pedido de um assaltante, preso em flagrante e que decidiu pro-cessar a vítima por ter reagido durante o assalto, provocou surpresa até mesmo nos meios jurídicos e foi classificado como uma “aberração” pelo juiz Jayme Silvestre Corrêa Camargo, da 2ª Vara Criminal, que suspendeu a ação.
Não satisfeito, o advogado do ladrão, José Luiz Oliva Silveira Campos, anuncia que vai além da queixa-crime, apresentada por lesões corporais: pretende processar, por danos morais, o comerciante assaltado. Motivo: seu cliente teria sido humilhado durante o roubo.
Wanderson Rodrigues de Freitas, de 22 anos, se sentiu injustiçado e humilhado porque apanhou do dono da padaria que tentava assaltar. O crime ocorreu no mês passado, na Avenida General Olímpio Mourão Filho, no Bairro Planalto, Região Norte de BH.
Por volta das 14h30 de uma terça-feira, Wanderson chegou ao estabelecimento e anunciou o assalto. Ele rendeu a funcionária, irmã do proprietário, que estava no caixa. Conseguiu pegar R$ 45.
No entanto, quando ia fugir, foi surpreendido pelo dono da padaria, um comerciante de 32 anos, que prefere ter a identidade preservada.
“Estava chegando, quando vi minha irmã com as mãos para o alto. Já fui roubado mais de 10 vezes nos sete anos que tenho meu co-mércio. Quatro dias antes de esse ladrão aparecer, tinha sido assaltado. Não pensei duas vezes e parti para cima dele. Caímos da escada e, quando outras pessoas perceberam o que estava acontecendo, todos começaram a bater nele também. Muitos reconheceram o ladrão como autor de outros assaltos da região”, conta o comerciante.
Ele diz ainda que, para render a irmã, Wanderson escondeu um pedaço de madeira debaixo da blusa, fingindo ter uma arma.
“Pensei que fosse um revólver. Quando a vi com as mãos para o alto, arrisquei minha vida e a dela. Mas estava revoltado com tantos crimes e quis defender meu patrimônio. Trabalhei 20 anos para conseguir comprar esta padaria. Nada foi fácil para mim e nunca precisei roubar para viver. Na confusão, chamamos a polícia e ele foi preso em flagrante por tentativa de assalto à mão armada”, conta.
O comerciante acha absurda a atitude do advogado. “O que me deixa indignado é como um profissional aceita uma causa dessas sem pensar no bem ou no mal que pode causar à sociedade. Chega a ser ridículo”, critica.
Quem parece compartilhar da opinião da vítima é o juiz Jayme Silvestre Corrêa Camargo. Em sua decisão, ele considerou o fato de um assaltante apresentar uma queixa-crime, alegando ser vítima de lesão corporal, uma afronta ao Judiciário.
O magistrado rejeitou o procedimento, por considerar que o proprietário da padaria agiu em legítima defesa. Além disso, observou que não houve nenhum excesso por parte da vítima.
Jayme Silvestre avaliou que o homem teria apenas buscado garantir a integridade física de sua funcionária e, por extensão, seu próprio patrimônio.
“Após longos anos no exercício da magistratura, talvez este seja o caso de maior aberração postulatória. A pretensão do indivíduo, criminoso confesso, apresenta-se como um indubitável deboche”, afirmou o juiz. Da decisão de primeira instância cabe recurso.
Com 31 anos de carreira, o advogado do assaltante, José Luiz Oliva Silveira Campos, está confiante no andamento do processo.
Ele alega que o cliente sofreu lesão corporal e se sentiu insultado e rebaixado por ter levado uma sova. “A ninguém é dado o direito de fazer justiça com as próprias mãos. Wanderson levou uma surra, foi humilhado e, por isso, além dos autos em andamento, vou processar o comerciante por danos morais”, afirma o causídico.
Ele conta que há 31 dias Wanderson está atrás das grades, no Ceresp da Gameleira, pelo crime cometido no Planalto.
Além de justificar a ação, ele desfia um rosário de teorias. “Não vejo nada de ridículo nisso. Os envolvidos estouraram o nariz do meu cliente e ele só vai consertar com uma plástica. Em vez de bater nele, o dono da padaria poderia ter imobilizado Wanderson. Para que serve a polícia? Um erro não justifica o outro. Ele assaltou, sim. Mas não precisava ter sido surrado”, afirma o advogado, acrescentando que sua tese é a de que Wanderson não estava armado, mas “apenas com um pedaço de madeira de 20 centímetros”.
Ele também culpa o governo pelo assalto praticado pelo cliente. “O problema mora na segurança pública. Há câmeras do Olho Vivo pela cidade. Por que o poder público não coloca nas padarias também? Temos que correr atrás de nossos direitos e Wanderson está fazendo isso. Meu cliente precisa ser ressarcido”, diz o advogado. (Edmilson Araújo Castro)

sábado, 9 de julho de 2011

Bombeiros capturam cobra de 3,5 metros de comprimento



Após ser acionado por populares residentes na travessa São Paulo, no bairro Primavera, em Parauapebas, o Corpo de Bombeiros se deslocou até o local indicado e se deparou com uma cobra sucuri num matagal.
De acordo com o que informou à reportagem do CORREIO o tenente BM Catuaba, subcomandante da unidade local do Corpo de Bombeiros, a sucuri encontrada por volta das 20h30 da última quarta-feira (6) media 3 metros e meio de comprimento e pesava cerca de 60 quilos.
Na hora da captura, segundo ainda o subcomandante, num descuido o réptil abocanhou a mão de uma pessoa que se encontrava no local e tentava ajudar no resgate do bicho, fazendo com que os bombeiros enfrentassem grande dificuldade para fazer com que a sucuri largasse a vítima, que sofreu pequenos ferimentos.
O tenente BM Catuaba alerta às pessoas que se depararem com cobras de grande porte para nunca tentar fazer a captura do animal sozinhos, deixando esta missão ao cargo de homens do Corpo de Bombeiros, que têm experiência para tal cargo.
Após a captura, a cobra foi levada para o quartel de Bombeiros e no dia seguinte conduzida à sede do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), que ficou encarregado de devolver o bicho ao habitat natural. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Dois homens são vítimas de emboscada na zona rural



A polícia está investigando a execução sumária dos indivíduos Francisco de Oliveira Peixe e Robson Lourdes Ventura, que ao chegar montados numa moto numa propriedade rural foram alvejados no momento em que tentavam abrir a porteira do imóvel onde residem.
De acordo com depoimento do trabalhador rural Aguimarães de Castro Santos, conhecido por “Pelé”, o duplo homicídio ocorreu por volta das 20h30 da última quinta-feira (7) na entrada da vicinal que dá acesso à Vila Brasil, na localidade conhecida por “Três Voltas”, a 44 quilômetros do centro de Parauapebas, em território pertencente ao município de Marabá.
No depoimento, Aguimarães Santos diz que Robson Ventura estava pilotando a motocicleta de marca Yamaha e modelo YBR, e foi o primeiro a ser alvejado, cujo corpo foi encontrado do lado da moto, enquanto que o corpo de Francisco de Oliveira foi localizado a uma distância de seis metros do parceiro.
O corpo de Francisco de Oliveira apresentava perfurações de projétil de arma de fogo em uma das pernas, nas costas, na nuca e no pescoço. Já Robson Ventura tinha marcas de bala à altura do abdômen lateral esquerdo, em um dos braços e também no pescoço.
Segundo apurou a reportagem na delegacia, moradores vizinhos de uma das vítimas chegaram a presenciar um automóvel Gol de cor preta passando nas proximidades do local do homicídio, minutos antes do crime.
O jornal apurou ainda que Robson Ventura era recém-chegado à Vila Palmares II e tinha como ramo de atividade a extração e transporte de areia. Francisco de Oliveira era sogro de Robson Ventura.
No local do crime, durante levantamento realizado pelos policiais, foram apreendidas três cápsulas deflagradas de munição calibre .40, além de um projétil do mesmo calibre. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

terça-feira, 5 de julho de 2011

Polícia de Curionópolis prende três acusados de tráfico de drogas

Cinara Silva

João Sales e Fábio Campos


Uma equipe da Polícia Civil em Curionópolis colocou atrás das grades, no início da noite do último sábado (2), três pessoas acusadas de comercializar drogas naquela cidade. Os acusados são os indivíduos João Sales Santos, Fábio Campos Souza e Cínara Pereira Silva.
De acordo com o delegado Tiago Carneiro Rodrigues, de Curionópolis, João Sales e Fábio Campos foram flagrados juntos vendendo crack num primeiro momento, enquanto que Cínara Pereira Silva foi presa noutro bairro daquela cidade, em outra operação da polícia.
A polícia apreendeu em poder dos acusados 20 petecas de crack, um saco plástico contendo maconha, uma placa de moto JWA 2464 e cinco aparelhos celulares pelos quais os traficantes fechavam negócio de venda do entorpecente com usuários de droga.
Em declarações prestadas à reportagem do CORREIO, o delegado Tiago Rodrigues explica que a prisão do trio já vinha sendo planejada pelo serviço de inteligência da polícia por vários dias e no momento certo os traficantes receberam voz de prisão em flagrante delito.
Na delegacia, os acusados negaram que sejam traficantes, mas a autoridade policial garante que possui provas materiais que configuram o crime como de tráfico de drogas. Os três presos não quiseram falar com o jornal. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

Polícia já tem nome do matador de trabalhador em Curionópolis




A polícia de Curionópolis já sabe a identidade do homem que na madrugada do último domingo (3) executou com uma chave de fenda o trabalhador rural Otacílio Faustino da Silva, 50 anos, natural de Currais Novos (RN), residente naquela cidade. O crime ocorreu numa área localizada atrás do estádio municipal de Curionópolis.
Embora a polícia diga que já identificou o acusado de ter praticado o homicídio, o delegado Tiago Carneiro Rodrigues, de Curionó-polis, diz não poder ainda revelar o nome do assassino, para não prejudicar o andamento da prisão preventiva do homicida, que, segundo o delegado, deve ocorrer nas próximas horas.
Apesar de o delegado de Curionópolis não querer revelar o nome do executor de Otacílio Faustino, Juliana Dutra da Silva, filha da vítima, disse à reportagem que o matador do pai dela é conhecido por “Zico”, que seria irmão de uma pessoa de muita influência política na cidade.
Baseada na avaliação preliminar do delegado, dando conta que o pai dela poderia ter sido assassinado com uma chave de fenda, Juliana Silva diz que no Instituto Renato Chaves de Marabá foi confirmado que Otacílio Faustino foi vítima de sete balaços no corpo.
Segundo ainda Juliana Silva, dias antes de ser morto o pai dela havia comprado um revólver calibre 38, e quando foi assassinado o ma-tador teria levado a arma e uma bicicleta de propriedade de Otacílio Faustino.
A filha da vítima informou também à reportagem que “Zico” poderia estar escondido na região do garimpo do Cutia, zona rural do município de Curionópolis. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

Garimpeiro é executado com golpes de facão em Serra Pelada


A polícia ainda não tem pistas de quem seria o matador do garim-peiro Raimundo Clarindo Nascimento, 74 anos, que foi encontrado morto na manhã desta segunda-feira (4) com vários golpes de facão pelo corpo e cabeça na residência dele, na vila de Serra Pelada.
A reportagem conseguiu junto a populares de Curionópolis poucas informações a respeito da vítima, que atualmente morava em Pa-rauapebas, onde ocorre na manhã desta terça-feira (5) o enterro do garimpeiro.
Junto ao corpo de Raimundo Clarindo foram encontrados documen-tos pessoais da vítima, entre estes o título eleitoral da comarca de Eldorado do Carajás, carteira da Coomigasp (garimpeiro), carteira de idoso e uma conta de luz em nome de Maria Alves do Nasci-mento, com endereço de Eldorado, que seria ex-esposa do falecido. (Reportagem: Vela Preta; redação: Waldyr Silva)

sábado, 2 de julho de 2011

Presos três matadores de comerciante sequestrado em Parauapebas



Após cinco dias de investigações, a Polícia Civil localizou e prendeu, na noite de quinta-feira (30), três dos quatro envolvidos no sequestro seguido de morte do comerciante José Antônio da Silva, 38 anos, conhecido como "Toinzinho", ocorrido no sábado (25), em Parauapebas.
Rodrigo Andrade Silva, 26 anos; Samuel Nascimento Silva, conhecido como "Diabinho", 32; e Isaías Pereira Silva, 24 anos, foram capturados no Bairro Morada Nova, em Marabá, aparentemente tentando fugir para o Maranhão. O quarto indivíduo, Hayone Nascimento, conseguiu escapar.
Os três são moradores de Parauapebas e naturais do Maranhão. Com eles foram encontrados duas armas calibre 38, sendo um revólver da marca Rossi e outro da marca Taurus; 38 munições do mesmo calibre, o celular da vítima e o chip telefônico utilizado para manter contato com a família.
A prisão foi uma ação conjunta da Superintendência de Polícia Civil do Sudeste do Pará com policiais civis de Marabá e Parauapebas, e da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), de Belém.
“Tínhamos a informação de que eles estavam em uma pousada e ficamos aguardando alguma movimentação. Os abordamos em via pública e um deles conseguiu evadir-se”, contou o superintendente, delegado Alberto Henrique Teixeira de Barros.
Os quatro estavam escondidos em uma pousada no bairro e saíram em direção ao ponto de vans quando foram abordados. Já Hayone Nascimento, ao perceber a ação policial, correu e desapareceu em meio à população.
“Fizemos um cerco com a participação da Polícia Militar, que prontamente se colocou à disposição, mas, infelizmente, não conseguimos fazer essa prisão”, lamentou o superintendente.
Acusados
Os acusados confessaram ter sequestrado e matado o comerciante por volta das 20 horas de sábado (25), quando entraram na casa do pai dele e o capturaram. O mentor do crime foi "Diabinho", que soube, há cerca de um mês, que Toinzinho havia vendido uma fazenda por R$ 2 milhões. Ele se juntou a outros três indivíduos e planejou o sequestro, com a intenção de exigir R$ 1 milhão de resgate.
Diabinho afirma que o sequestro foi planejado por motivos financeiros, mas diz que a intenção não era matar o comerciante. “Apesar do planejamento, saiu errado e teve o homicídio do rapaz. Eu não estava no local no momento e não sei quem matou”, disse.
Os outros dois presos repetem a mesma história. Para todos eles, esse seria um dinheiro fácil a ser ganho. Rodrigo acrescentou que toda a ação foi planejada conjuntamente. Isaías, por sua vez, o único sem passagem pela polícia, afirma que esse foi o primeiro crime que cometeu.
“Minha participação foi capturar o rapaz. O monitoramos por quatro dias e ele foi escolhido porque era rico. Nos conhecemos há muito tempo e nunca cometemos outro crime juntos”, alega Isaías.
Sequestro
De acordo com o delegado Antônio Miranda, diretor da Seccional de Polícia Civil de Parauapebas, na noite de sábado os elementos invadiram a residência do pai de Toinzinho, localizada no Bairro Rio Verde, portando duas armas de fogo, e o retiraram da residência em um Corsa Sedan,  deslocando-se à zona rural, onde ele seria mantido em cativeiro.
Durante o percurso, entretanto, José Antônio reconheceu os indivíduos, situação que resultou na morte dele. “Eles [vítima e sequestradores] tinham convivência, tendo chegado, inclusive, a jogar futebol juntos. Ao serem reconhecidos, eles decidiram abortar o sequestro, tirando a vida da vítima”, explicou o delegado Alberto Teixeira.
Mesmo após terem matado "Toinzinho", os sequestradores continuaram entrando em contato com a família, fingindo que ele continuava vivo, para conseguir a quantia que queriam. Em um primeiro momento, os bandidos pediram R$ 1 milhão como resgate, valor que posteriormente foi baixado para R$ 500 mil.
“O mais chocante foi que, mesmo sabendo que a vítima já estava morta, eles continuaram com o plano criminoso, exigindo o valor para um dos irmãos dele”, destaca o delegado Ivanildo Santos, da DRCO.
Foragido
A polícia trabalha agora para descobrir o paradeiro de Hayone e também prendê-lo. “Ele está com o mandado de prisão expedido pela Justiça, já é um foragido. O trabalho continua no sentido de encontrá-lo”, destacou o delegado Ivanildo. Os policiais lembram que o número de telefone 181 está disponível para denúncias anônimas também em casos como este.

Os outros três foram autuados em flagrante em Marabá por posse e porte ilegal de armas e munições, formação de bando e quadrilha. Em Parauapebas, responderão pelo crime de sequestro seguido de morte. Os presos já foram encaminhados para o Centro de Recuperação Agrícola "Mariano Antunes" (Crama). (Luciana Marschall/Correio do Tocantins)