quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Homem encontrado morto com tiro de espingarda caibre 12


Elisvaldo Máximo de Sousa

Elvis Pereira

Foi encontrado sem vida na manhã de ontem (1º), na laje de uma residência, na zona rural, em Parauapebas, o corpo de Elisvaldo Má-ximo de Sousa, 38 anos, natural de Monção (MA), com um tiro de espingarda calibre 12 no queixo.
Segundo apurou a reportagem junto à mulher Maria Ivanete, prima da vítima, Elisvaldo Máximo havia chegado do Maranhão a Parauapebas no último dia 18, e desde então vinha bebendo muito. A última vez que ele apareceu na casa dela foi no domingo (29).
Maria Ivanete disse ter tomado conhecimento que na vila Palmares II o primo dela andou dizendo para algumas pessoas que ia se matar. “Ficamos sabendo da morte através do vigia do imóvel, que ouviu o tiro e foi olhar o que avia ocorrido, quando se deparou com o meu primo morto sobre a laje da casa”.
De acordo com a polícia, na noite de terça-feira Elisvaldo Máximo se apoderou de uma escada e, sorrateiramente, escalou uma e parede e chegou até a laje do imóvel, Sobre a laje, a vítima armou uma rede na estrutura do telhado, colocou uma espingarda tipo por fora com cano calibre 12 dentro da rede e dormiu. Pela manhã, ocorreu o disparo.
O imóvel onde ocorreu o crime se localiza a 3 quilômetros da vila Palmares II, sentido Estrada de Ferro Carajás. A polícia trabalha com duas linhas de investigação: suicídio ou acidente com a arma de fogo.
OUTRA MORTE
Por volta da 18h30 da última segunda-feira (30), na beira da estrada, entre as vilas Palmares Sul e Palmares II, foi encontrado Elvis Pereira, 28 anos, natural de Parauapebas, também sem vida.
Segundo informações colhidas de agentes funerários, a vítima foi alvejada com mais de dez disparos de arma de fogo pelo corpo. Informações dão conta que levaram do morto uma corrente de ouro, uma moto e um revólver calibre 38.
A reportagem apurou também no local do crime que a vítima tinha uma filha com apenas onze meses de idade que ele dizia sempre para a mulher dele cuidar dela, como se estivesse premeditando a própria morte. A esposa da vítima, não identificada pela polícia, ficou de registrar ocorrência na delegacia de polícia, mas até esta quarta-feira não havia comparecido para fazer a ocorrência. O corpo da vítima foi velado na Vila Palmares II. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário