quinta-feira, 29 de maio de 2014

Polícia Civil continua investigando compradores de madeira ilegal na região


A Polícia Civil continua em diligência para concluir o inquérito que apura o comércio ilegal de madeira (em tora e serrada) nas serrarias e madeireiras estabelecidas nos municípios de Parauapebas e Canaã dos Carajás.

Na manhã da última quarta-feira (28), na zona rural do município de Marabá, próximo de Parauapebas, a polícia prendeu os motoristas Daniel Dantas Nascimento, Íris Ferreira Neto, João Gomes Barbosa, Raimundo Barbosa Lima e Wessiley do Nascimento, que transportavam sem nenhuma documentação duas carradas de castanheira serrada e uma em tora, carga avaliada em R$ 300 mil.

O comandante do 23º Batalhão de Polícia Militar em Parauapebas, ten-cel. Sandro Queiroz, em levantamento preliminar, suspeita que a madeira possa vir sendo extraída e beneficiada na Vila Cruzeiro do Sul, mais conhecida por Vila Quatro Bocas, no município de Itupiranga, e depois transportada por vicinais, geralmente à noite, para driblar a fiscalização, até chegar às serrarias e madeireiras da região para ser comercializada.

Segundo o delegado Rodrigo Paggi, diretor da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil em Parauapebas, os cinco motoristas que transportavam o carregamento de madeira foram autuados em flagrante delito por crime ambiental.

“Estamos apurando também outras infrações penais, uma vez que há indícios de que os veículos apresentem sinal identificador alterado, alguns dos motoristas não apresentaram carteira de habilitação e outros ainda tentaram fugir durante a abordagem policial”, explica Rodrigo Paggi.

O delegado adiciona que quem adquire madeira sem nota fiscal também comete crime, e que a polícia está intensificando a investigação para alcançar o maior número de infratores possíveis. Procurados pela reportagem, os motoristas não quiseram falar com a imprensa. Jornal Tablóide. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Um comentário:

  1. Anônimo15:20:00

    Investiga o Macarrão do metabase

    ResponderExcluir